Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Palestina’

Protesto a Napolis

Riccardo Siano

Foto: Riccardo Siano

Em Napolis, as fontes dos jardins da piazza Municipio, a fonte da alcachofra na Piazza Trieste e Trento e a fonte TAtafiore na rua Scarlatti, no Vomero, foram coloridas de vermelho. Dentro delas boiam dezenas de folhetinhos assinados Cuib Napoli, uma sigla que se refere a alguns circulos de extrema direita. Nos folhetos da fonte da piazza Municipio aparece ainda uma cruz celta e o texto:

27 dicembre 2008-18 gennaio 2009, Palestina Operazione “Piombo fuso“. 1203 morti, 5300 feriti. Il mondo è rimasto a guardare sull’orlo della fossa seduto.

 

27 dezembro 2008 – 18 janeiro 2009, Palestina Operaçao  “Chumbo Fundido”. 1203 mortos, 5.300 feridos. O mundo  permaneceu  a olhar na borda da vala,  sentado.

Fonte: La Repubblica.it

A Operaçao “Chumbo Fundido” (em lingua hebraica: מבצע עופרת יצוקה; também chamada, incorretamente, de Operaçao “Chumbo Grosso”) é uma grande operação militar das Forças de Defesa de Israel, realizada na Faixa de Gaza, à partir do dia 27 de dezembro de 2008, sexto dia da festa judaica de Hanucá. Em lugar destes nomes, a maioria do mundo árabe utiliza o termo Massacre de Gaza (em língua árabe: مجزرة غزة) para descrever os acontecimentos.

A ação militar israelense ocorreu dias após o fim de um acordo de cessar-fogo, que vigorou por seis meses, firmado entre o governo de Israel e representantes do Hamas, partido majoritário no Conselho Legislativo da Palestina e que controla a Faixa de Gaza. Como Israel não suspendeu o bloqueio à Faixa de Gaza e não cessou os ataques ao território palestino, militantes do Hamas anunciaram o encerramento oficial da trégua de hostilidades com Israel e passaram a lançar foguetes e morteiros em direção ao sul do território israelense. Dias depois do anúncio que resultou no fim da trégua, o grupo palestino ofereceu uma proposta para renová-la. Em 27 de dezembro de 2008, as Forças de Defesa de Israel iniciaram as operações militares, com o objetivo oficial de interromper os ataques de foguetes contra o território israelense.

Foi a ação militar mais intensa contra um território palestino desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967. No primeiro dia da ofensiva militar, a força aérea israelense lançou mais de cem bombas em um intervalo de quatro minutos, incluindo bases, escritórios e campos de treinamento do Hamas nas principais cidades da Faixa de Gaza, entre as quais Cidade de Gaza, Beit Hanoun, Khan Younis e Rafah. Também foram alvos de ataques a infraestrutura  civil, incluindo casas, escolas e mesquitas; Israel disse que destes locais são disparados muitos dos foguetes palestinos ou servem para esconder munição, e portanto não seria alvos civis.

A marinha israelense também bombardeou alvos e reforçou seu bloqueio naval à Faixa de Gaza, resultando em um incidente com uma embarcação civil. Militantes do Hamas intensificaram os ataques de foguetes e morteiros em direção ao sul de Israel, atingindo cidades como Beersheba e Ashdod.

Na noite do dia 3 de janeiro, começou a ofensiva por terra, com tropas e tanques israelenses entrando no território palestino.

No dia 17 de janeiro, o primeiro-ministro israelense Ehud Olmert anunciou uma trégua unilateral a partir da madrugada do dia seguinte. O movimento Hamas também anunciou um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza de seus militantes e grupos aliados. O representante do grupo, Ayman Taha, afirmou que a trégua valerá por uma semana para que os israelenses possam retirar suas tropas da região. O Exército de Israel declarou que retiraria suas tropas da Faixa de Gaza até a posse de Barack Obama na presidência dos Estados Unidos da América, no dia 20 de janeiro.

Fonte: Wikipedia

Anúncios

Read Full Post »