Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Refletindo’ Category

Calor humano.

Nao gosto de frio. Da temperatura a pessoas.

Do tipo de gente que nao manifesta emoçoes claras, que nao vibra com noticias, palavras, idéias, que nao reage a mudanças, que finge que nao viu, que ignora.

Eu sou do tipo transparente, claro, ativo e reativo, nitidamente partidàrio, perceptivo, criativo, agitado, vibrante, rumoroso, emotivo, sensìvel e intenso.

Eu sou muito quente.

Read Full Post »

A ursa.

No inverno, onde os dias sao mais curtos, sempre sinto uma coisa estranha com o anoitecer tao cedo. A sensaçao é meio angustiante, como se eu ficasse acordada mais tempo do que devia, com noites que nao acabam nunca,  e dias com um tipo de insonia-zumbi, enfim, uma agonia.

De um lado, minha mente me diz que meu corpo deve se movimentar ao invés de seguir o que, do outro lado, meu animo me sugere que é passar a maior parte do tempo enfiada debaixo das cobertas. Vivo, assim, arrastando os dias nessa luta interna e… nem sempre é facil reagir.

Por mais que eu tente me ocupar o tempo escorre lentamente, numa letargia gélida e os tres meses de frio, chuva e neve parecem muito, muito longos. As vezes chego a pensar que talvez eu tenha uma especie de metabolismo de ursa e que o natural seria hibernar no inìcio de dezembro e acordar sò em março na primavera.

Notas mentais:

Sàbado o curso de grafologia reiniciou e hoje foi o curso de tricot. Vou me obrigando a sair mais de casa e quem sabe o inverno irà passar mais ràpido este ano.

Read Full Post »

Conta-gotas

Ando longe daqui, mas nao do mundo virtual. Acontece que depois do advento Twitter e Facebook alguma coisa mudou na maneira de me relacionar com as palavras. Se antes eu gostava de um oceano de palavras prolixo descrevendo tin-tin por tin-tin cada detalhe da minha pessoa, agora tou mais naquela de soltar por aì umas poucas gotinhas de LuLu, sò bem pouquinho e muuuuito de vez em quando.

Nessa nova fase também coleciono algumas frases alheias, que faço uso como se fossem minhas, quando tenho algo a dizer que jà foi dito.

Juntando tudo dà um mosaico bem interessante. Vou registrar aqui algumas passagens…

Chuvinha gostosa, edredom e maridinho acoplado, um bom filme no dvd e Arruda na cadeia…. FELIZ DIA DE SAO VALENTIM!!!   (10:21  Feb 14th)

Carnevale ad Acireale!!! Carnaval é igual a nariz: cada um tem o seu.  (12:16  Feb 16th)

((( coragem )))  (15:25 Feb 16th)

Mais um carnaval que passou…  (8:35 Feb 18th)

Preparando uma fornada de muffins de coco!  (15:24 Feb 18th)

Esse P.O. é um C.U. (com o perdao das màs siglas).  (23:23 Feb 18th)

Dietro ogni linea di arrivo c’è una linea di partenza… Atràs de cada linha de chegada tem uma linha de partida. (Madre Teresa de Calcutà).  (11:15 Feb 19th)

AUGURI ERNESTO!!  (10:10 Mar 3rd)

 O Livro de Eli… acabei de assistir o filme. Tem sempre algo a retocar, mas.. recomendo.  (00:09 Mar 4th)

Hoje foi dia de faxina grau DEZ PLUS ELEVADO AO CUBO!! Ai.. To moìda… (23:00 Mar 4th)

Nao to achando graça nenhuma.. em NADA.  (17:47 Mar 5th)

Acabei de tirar uma fornada quentinha de biscoitos com pistache! Alguém servido? 😀  (08 marzo 20.48)

((( FELIZ )))  (08 marzo 22.22)

Berlusconi e Lula juntos!!! O.o Medo.  (16:39 Mar 9th)

((( amizade )))  (11 marzo 17.36)

♥ Oggi è il mio ONOMASTICO. ♥  (4:13 PM Mar 15th)

Voce sabe o que é NOÉTICA??  (10:31 PM Mar 17th)

Com as costas moìdas de trabalhar no jardim hoje… ai. Em compensaçao… parece que o sol firmou.. e a primavera taì beirando a gente! 😀  (19 marzo 1.03)

((( amor )))  (18:15 Mar 21st)

Omelete de Urtiga no almoço! (23 marzo 19.39)

De vez em quando eu tenho a sensaçao de que tà faltando um adulto nessa casa… Ai que saudade da minha mae!  (20:28 Mar 25th)

De vez em quando eu pareço ter 40 anos de idade…  (16:01 Mar 27th)

À medida que as horas passam, as luzes de arranha-céus e monumentos históricos são desligadas em várias partes do mundo.#horadoplaneta  (23:41 Mar 27th)

Europa apaga as luzes durante a Hora do Planeta http://bit.ly/bUMPIU  (23:43 Mar 27th)

Nessa Pàscoa… por favor… nenhum ovo pra mim. Quero uma màquina de teletransporte de presente, a quem interessar possa.  (9:58 Mar 29th)

Primavera = calorzinho bom + muito trabalho no jardim.  (19:13 Mar 30th)

 Surpresas do mês: Rick Martin assume ser gay. Pelé assume ser negro, Papa assume ser católico e a Terra assume ser redonda. (Jose Simao) (23:19 Mar 30th)

Ontem… teve aula de queijos no curso de culinària. Degustei mais de 15 tipos entre caprinos, pecorinos e bovinos. Hoje… to de ressaca. Ai. (01 aprile 10.56)

♥ Buona Pasqua a tutti!!!! ♥  (01 aprile 21.51)

Vontade de voar…  (00:34 Apr 3rd)

E a Pascoa… ? A Pascoa PASSOU. (23:50 Apr 5th)

Aula de hoje do curso de culinària: DOCES!!… Tou empanzinadamentefeliz que nem formiga no pote de mel… 😀 (08 aprile 0.35)

Essa vida nao é mole nao, Pantaleao! (08 aprile 16.27)

Jardim cheio de botoes!!! (11:33 Apr 9th)

Certas coisas são mais bem resolvidas pelo silêncio. (21:22 Apr 9th)

♫♫ Vivendo e aprendendo a jogar.♫♫ Nem sempre ganhando, nem sempre perdendo… mas, aprendendo a jogar. ♫♫ (15 aprile 11.43)

Se você obedecer a todas as regras, vai perder toda a diversão. (15 aprile 17.09)

Hoje fiz um bolo de maça. Pra tomar no café da manha.. de amanha. Ficou tao cheiroso que nao aguentei esperar… provei e decidi: Amanha se fizer sol vou tomar o café da manha no jardim. Meu bolo merece. (15 aprile 23.37)

Hoje to tao azeda, mas tao azeda… que se o marido demorasse um pouquinho mais pra sair pro trabalho… eu ficava viùva. (22:47 Apr 20th)

Quem conseguir pronunciar o nome do vulcao que tà soltando fumaça na Islandia ganha um premio!… Vai là… Um… dois… tres… jà: eyjafjallajokull. (20 aprile 0.19)

Auguri Brasilia!!! (21 aprile 16.17)

Voce sabe que chegou ao fundo do poço quando: … Cria um album de fotos no Facebook chamado “Farmville Photos”. (21:43 Apr 23rd)

Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal…. São Jorge Rogai por Nós. (23 aprile 13.50)

O erro é inerente ao ser humano, o que importa é não passar da cota diária. (JOHN NIGRO) (10:45 Apr 25th)

♫♫♫♫♫♫♫♫ Tenho jasmim, tenho hortelã. Eu tenho um anjo, eu tenho uma irmã. Com a saudade teci uma prece e preparei erva-cidreira no café da manhã… ♫♫ Eu vou cantar uma canção Eu vou cantar pra mim… Eu vou cantar uma canção Eu vou cantar pra mimmmmmmmm… ♫♫♫♫♫♫♫♫  (25 aprile 11.47)

Plantando batatas!  (30 aprile 19.49)

Bom dia insonia!!! (6:49 May 3rd)

((( unidade ))) (03 maggio 22.05)

L’orto è finito!!! Terminamos nossa horta!!! Plantamos pimentoes, tomates, beringelas, meloes, cenouras e batatas. (04 maggio 18.04)

Quando começo um floral novo tenho cada sonho Feliniano!!! Cada um mais bizarro do que o outro! (04 maggio 18.44)

Ontem fui assistir Ágora. Que filme tocante, viu? Super-recomendo. (05 maggio 16.02)

M.A.E.E.T.A. (MAE Eu Te Amo) (06 maggio 19.42)

Nem toda experiencia ensina. (07 maggio 14.27)

((( tolerancia ))) (07 maggio 17.10)

CHOREI… de rir!!!! http://www.youtube.com/watch?v=RLbOuHX8rMA  (08 maggio 12.02)

Feliz dia das SOGRAS!! (10 maggio 0.31)

Recomecei a sonhar em italiano. (13 maggio 11.38)

Nao hà nada que um banho de banheira nao cure… Com sais perfumados e muita espuma… Se bobear até unha encravada e espinhela caìda.  (16 maggio 19.25)

Chegou pacote do Brasil!!! (20, maggio 15.33)

Read Full Post »

Quem sou eu para falar de amizade? Minhas amizades ao longo da vida já passaram por todos os tipos de fases. Pouquíssimos amigos sobreviveram ao período em que passei por um tratamento para depressão. Essa doença tão terrível arrancou de mim por quase dois anos a alegria de viver, transformando-me numa pessoa tristonha, mórbida, apática e completamente  diferente daquela que todos estavam acostumados a ver. Durante essa fase, que foi uma das mais difíceis da minha vida, entendi verdadeiramente o significado da expressão: “separar o joio do trigo”. Uma horda de pessoas, que antes borboleteava a minha volta atraída somente pela minha luz sem querer dar nada em troca, voou para longe rapidamente, em poucos dias depois que a doença se instalou. Várias pessoas magicamente se revelaram. A primeira máscara a cair foi a dos “amigos-só-de-farra” uma definição para aqueles muito imaturos, muito rasos e superficiais que não seguram nenhuma peteca de jogo algum que não seja relativo a boteco, festa, sexo e roquenrol.

Entremeada por altos e baixos, alguns péssimos e outros momentos melhorzinhos  fiquei impávida só assistindo àquela seleção natural, inerte, mas angustiada. Deixei quase todos irem embora. Naquele período não tive força pra quase nada além de sobreviver. Fiz o que pude. Ficaram aqueles que souberam, acima de tudo, respeitar o que eu estava passando. Restaram as pérolas. Uma grande amiga remanescente até mencionou, outro dia, o quanto a minha relação com ela foi suscetível aos “meus momentos”. Enfim, baseada em outra frase muito conhecida que diz que o que importa é a qualidade, depois de tudo tornei-me muito mais seletiva. Estou a cada dia mais consciente não só do valor dos pequenos gestos de carinho inesperados e descompromissados, mas também do sutil e gradativo abandono ao qual as relações mais débeis se expõem. Continua a diminuir o número de pseudo-amigos que eu acreditei um dia possuir. Apesar do que possa parecer aqui, mesmo com alguma perda, não carrego comigo nenhum arrependimento. Talvez por isso eu acredito que me qualifique um pouco para tentar sugerir a alguém alguma coisa útil sobre amizade.

Outro dos temas mais presentes como causa de afastamentos, pela minha experiencia, é o da tirania na amizade. Percebi que muitas amizades, até de grande afeto e intimidade, insistiam em se manter tiranizando-me. E eu passei a não permitir mais esse tipo de vínculo e busco estar atenta e evidenciar nas pessoas essas atitudes que pra mim já não são nada atraentes, nem tampouco saudáveis. Por amizade tirânica eu defino aquela onde cumprir um protocolo de regras e compromissos passa a ser mais importante que muitos valores como o amor, o crescimento, o respeito e a compreensão mútua. Algumas pessoas parecem acreditar que por ser meu amigo lhes dá o direito de cobrar coisas e serem agressivas como se eu realmente tivesse que cumprir algum código de honra, ou um passo-a-passo para satisfação da carência alheia ou um calendário anual de eventos obrigatórios aos amigos tiranizáveis. 😀 Hehehehehe. Isso existe e me incomodou muito, mas hoje em dia lido com as tiranias ainda presentes nas relações de amizade de um modo muito melhor e me permito até brincar. Brinco, sim, na medida do possível. Costumo dar minhas conhecidas gargalhadas hiper-sonoras em resposta a alguns amigos que se excedem e esperneiam cobrando uma justificável ausência minha no dia-a-dia. Atençao, não que a ocasião criada pelo amigo não seja importante pra mim, mas é a atitude de cobrança que não deve ser excessiva nem carregada e o peso, carência e agressividade jamais podem se sobrepor à leveza, a alegria e o prazer de conviver.
Várias são as razões para o afastamento das pessoas, não necessariamente a falta de um sentimento profundo ou de amizade verdadeira, às vezes é apenas a própria efemeridade natural de alguns tipos de relações. Aprendi que muitas pessoas que passam por nossa existência, quando menos se espera, se afastam, ora por concluir uma etapa misteriosa de evolução e aprendizado, ora pela seleção natural de afinidades, como um ciclo que se fecha.

A vida deve seguir sempre fluindo. Cada um tem, ainda, os seus bons e maus momentos. O maior aprendizado foi o de entender melhor as razões para o afastamento de todos nós. Costumo comparar a dinâmica das relações como uma dança aos pares e a mudança de alguns passos na dança do afeto e da amizade pode deixar de ser conveniente para alguma das partes e se deixa simplesmente de dançar.

A exemplo do que eu já lutei (e ainda luto) contra atitudes inconvenientes ou contra pisões nos pés ao longo da dança poderia citar várias situações. Algumas soariam tristes, outras leves, cômicas ou até infantilmente ridículas. Talvez seja um estilo meu, mas busco verdadeiramente a leveza e o bom humor sem deixar de dizer claramente quando um tipo de comportamento não me interessa mais. Continuo, é claro, muito atenta principalmente ao “modo” para impor limites difíceis, afinal estou lidando com pessoas amigas. Tento sempre falar com o devido carinho, para quem ainda me interessa manter e transformar, mas aprendi a duras penas que dificilmente se extingue um comportamento ambíguo muito arraigado ou inadequado sem algum tipo de dor de crescimento. Se existir amor a amizade permanece com outras bases mais seguras, mas se não, extingue-se. Melhor assim. Mesmo sendo muito difícil abrir mão de certos apegos.

Longe de mim parecer que não creio na amizade ou que amigos não são muito importantes. Ao contrario, são e MUITO. Nem cometo o engano de achar que não possa eu também melhorar nas minhas relações. A cada momento de revelação de alguma dificuldade em relacionar-me ou aparente discórdia procuro voltar a mim e buscar refazer o caminho percorrido todo de novo. Acredito que devo primeiro me rever pra depois tentar levantar a cerca dos limites para o outro. Buscando de antemão os meus propósitos de harmonia e do bem. Nem sempre acerto, mas o meu objetivo tem sido o de continuamente experimentar para continuar a aprender. A realidade muda o tempo todo. Fato inevitável. A cada encontro alguns amigos antigos ou distantes podem parecer inadequados perante a nova LuLu que ressurge. É preciso estar atenta para identificar o sentimento puro e verdadeiro. Replantar é muito importante sem jamais deixar de cultivar e cuidar o que já existe. Pela minha natureza, para o bem da minha evolução, nesse solo fértil que é a minha vida, quero prosseguir alimentando, regando e oxigenando as antigas amizades e permanecer aberta à criação de muitos mais novos e frutíferos laços.

Algumas lições que aprendi:

– Ninguém está totalmente certo, nem totalmente errado.

– Amigos surgem de onde menos se espera.

– Amigos desaparecem, às vezes quando mais os esperamos.

– Amigos ressurgem.

– Todos merecem respeito.

Escrito por LuLu no Cafofo da LuLu, 16 de Fevereiro de 2007.

Read Full Post »

Acabei de chegar do cinema.

No Brasil o titulo do filme é: A Ilha do Medo.

Me fez refletir que o maior pesadelo do ser humano é nao ter em quem confiar.

Read Full Post »

Vencer os outros não chega a ser uma grande vitória.

Vitorioso é aquele que consegue vencer a si mesmo, o que é muito mais difícil.

Ela requer mais coragem, mais disciplina e mais decisão.

O simples fato de tentar de novo já será sua primeira vitória.

Read Full Post »

Incomplexidade

Uma pessoa imatura pensa que todas as suas escolhas geram ganhos.

Uma pessoa madura sabe que todas as escolhas tem perdas.

– Augusto Cury –

Com essa frase martelando na minha cabeça é que comecei essa semana. Ando meio azeda, talvez pela velha conhecida TPM que se reaproxima, mas enfim, mais reflexiva também.

O mundo novo, jà nao tao novo, começa a dar seus sinais de cansaço. A velha fòrmula de auto-motivaçao pra dar conta das obrigaçoes do dia-a-dia nao funciona tao bem aqui quanto no Brasil e me reinventar a esta altura da vida parece bem mais difìcil.

Falar voltou a ser uma canseira à parte. Voltei a ter que pensar muitas vezes antes de pronunciar o que quero. Tomo cuidado com as palavras, seja em italiano, ou em portugues, até porque acredito piamente que elas tem uma força descomunal sobre nòs, nossos desejos, realizaçoes e até sobre o universo que nos rodeia mas, pra mim, particularmente loquaz na minha lingua madre, é como voltar a ser criança ou adolescente… limitada, com um vocabulàrio muito restrito e aquém da minha identidade interior, sentindo-me incomprendida e frustrada por ter muito mais a expressar do que a capacidade de comunicaçao me permite.

Hoje, estou particularmente angustiada e me sinto incompleta como se nesse mundo nada se encaixe perfeitamente em mim, ou me pertença realmente. Tenho a sensaçao de que falta (e faltarà) sempre alguma coisa, nao importa quais sejam os meus esforços pra me adaptar, me integrar, me inserir… serei sempre uma estrangeira numa terra estranha.

Read Full Post »

Entao,

Foto By LuLu na Italia ©

Ser feliz nao é apenas valorizar o sorriso, mas refletir sobre a tristeza.

Nao é apenas comemorar o sucesso, mas aprender liçoes nos fracassos.

É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oàsis no recondito da alma.

Ou no meu caso especìfico…

É atravessar a neve fora de mim, mas ser capaz de encontrar uma fogueirinha num canto da alma.

Read Full Post »

Neofobia

O novo me assusta mais do que fascina.

Um ano todo novo pela frente e eu não me sinto à vontade pra fazer resoluções. Na verdade, eu não sou é boa em cumprir o que prometi pra mim mesma. Até tenho umas metas importantes na cabeça, mas não vou listar nada pra não pagar nenhum mico, nem me frustrar no fim do ano.

Taí, uma coisa eu vou prometer, me comprometer, afirmar e assinar em baixo:

Menos expectativas falsas daqui pra frente.

Assinado: LuLu.

Read Full Post »

Des-pedida de 2009

Eu quero um bom ano novo.

Eu quero um ano novinho em folha e com cheiro de flores perfumadas do meu jardim.

Quero um jardim novo, coberto com a relva verdinha que cultivei com cuidado e carinho. E cadeiras novas preu me sentar debaixo das árvores, com meu amor, admirando as rolinhas barulhentas, as lagartixas serelepes correndo pra todo lado e as coloridas borboletas.

Eu quero um amor novo, com gosto de fruta madura… mas não muito doce, senão enjoa. Tipo maracujá, sabe? Quero um amor renovado, com as mesmas pessoas de sempre, e ainda quero pessoas novas pra ir descobrindo devagarzinho até aprender a amar. 

Quero descobertas novas, sentimentos novos, paisagens novas, sabores novos… tudo novo de presente.

Engraçado, que ao invés do Natal, é na virada do calendário que eu costumo pedir o que eu quero, porque fui boazinha, e sei que mereço. Talvez seja porque nessa época a esperança, meio sumida, aparece de novo na janela da alma.

Então, adeus… bom e velho ano.

Read Full Post »

Tudo ou Nada

De repente eu me toquei que já ia virar um mês sem dar as caras aqui no blogue. Quanto mais o tempo ia passando maior ficava o bloqueio, então resolvi vir logo tentar colocar as idéias em dia.

Pra quem não sabe, eu ainda estou no Brasil e ainda vou ficar até o fim do ano pra dar conta de resolver o tanto de coisas que tenho que providenciar antes de voltar pra Itália. Desde que eu cheguei já comemorei o aniversário da mamãe e os meus 40 anos, já trabalhei num evento para um grande shopping de Brasília, o marido Ernesto veio e viajamos numa segunda lua-de-mel para o Rio de Janeiro (que foi MA-RA-VILHOSA!), organizei algumas coisas pendentes, já comecei a providenciar meus documentos novos… enfim, são tantas emoções que nem sei por onde começar direito… e…  por isso eu sumi daqui. Toda vez que vivo intensamente um momento, me perco e acabo não me exprimindo bem nesse mundo virtual que criei pra manter os amigos atualizados.  Tenho uma bobagem de achar que se não fizer tudo perfeito é melhor não fazer nada.

Nota mental: No fundo, eu criei essa mania de justificar algumas atitudes de fuga pela intensidade mas, não sei se gosto de viver essa montanha russa de emoções.

Read Full Post »

Triste

… Mas é verdade…

Quando estou deprê escrevo mais, sou bem mais profunda e inspirada.

O que nao é o caso essa semana… hehehehehe… 🙂

Read Full Post »

Acordei na sexta, liguei a televisao e vi a noticia de sua morte.

Primeiro veio a negaçao: Nao pode ser!!! Como assim???

De repente, um golpe no peito. Uma lagrima caiu. Por um instante foi como se tudo ao meu redor desaparecesse. Me senti miseravelmente vulneràvel e sò.

Ragusa_Ibla_27_06_2009 096

Ragusa - Ibla - Foto By Marido Ernesto

Nao sei se estou conseguindo definir direito porque o que ficou foi um vazio que nao se explica, se sente.

Acho que inconscientemente vivi um certo tipo de luto. Como se ele fizesse parte da familia e nao fosse apenas um ìdolo de uma, duas, tres geraçoes, mas efetivamente alguém que eu conhecia pessoalmente e que tinha estado sempre presente na minha vida.

Os tres ùltimos dias foram estranhos. Tudo, aliàs, està muito estranho.

Read Full Post »

Eu comecei a pensar em italiano jà hà algum tempo. Assim, sem nem me aperceber direito. Notei a primeira vez num dia em que eu estava falando com minha mae no messenger e acontecia vàààrias vezes de pensar em italiano pra depois traduzir. As vezes até esqueço como é a palavra em portugues e sai automaticamente em italiano… naturalmente. Bom, nè? Sinal de que eu estou aprendendo, de que eu jà estou dominando a nova lingua. 🙂

Sò tem uma coisa curiosa: eu nao consigo contar em italiano, nem fazer conta de cabeça em nenhuma outra lingua. Sabe como? Eu e o marido Ernesto adoramos jogar. Xadrez, carta, gamao… Quando jogamos buraco, por exemplo, na hora de dar as cartas eu conto em portugues. hehehehehe. Ou na hora de somar os pontos é a mesma coisa. Nao consigo evitar. E é instintivo! Se eu for somar em italiano me perco toda! Hahahahaha.. Que engraçado, nè? Porque serà? Como se a memoria matemàtica fosse  ancestral à memoria fonològica. Como se o aprendizado se fizesse em niveis diferentes de consciencia. Que viagem… ! Serà que algum dia eu chego là?

Read Full Post »

GBBE_consciencia

Fonte: Nadaver.com

Read Full Post »

E por falar em namorar…

Vamos namorar o ser humano , seja ele alguém que voce ve todos os dias ou eventualmente, e trata-lo como tal, com delicadeza, com respeito, com gentileza… e com o verdadeiro afeto dos namorados.

Dez 10 coisas simples que devíamos dizer mais vezes

Posted by Pedro e Eninha Campos do O que é isso?

Quantas palavras você fala durante um dia ? Não não estou falando de mensagens de texto, ou e-mails, estou falando de palavras que realmente saem de sua boca.

O valor médio é 16.000 palavras. Mesmo assim, muito do que dizemos pode ser sem sentido, simples conversas , ou mesmo conversas zangadas . Aqui estão dez coisas que poderíamos todos dizer mais vezes. Durante a leitura, eu aposto que você vai achar que a lista é muito simplista. No entanto, o impacto positivo que terá em seu humor e em seu dia é bastante dramático. Quer ver ? Tente!

Olá” Quantas vezes você senta silenciosamente ao lado de alguém em um metrô, ónibus ou em uma sala de espera ? Basta dizer um simples “Olá” ou “Oi” para a pessoa ao seu lado, e oferecendo-lhe um sorriso, você pode com isso levantar o humor. E você pode até ter uma conversa agradável para passar o tempo enquanto você está a espera.

“Obrigado” É difícil dizer “obrigado” com demasiada frequência. Mesmo quando você sente que alguém desempenha um serviço para ajudar o seu trabalho, agradecer-lhe fará você se sentir bem. Que tal dizer “obrigado” a seus empregados ou subordinados, quando realizarem uma tarefa para você, “obrigado” para a menina na saída do supermercado quando ela embala as compras para você, “obrigado” para o garçon que traz as suas refeições … Estas duas pequenas palavras de gratidão pode significar muito.

“Por favor” Uma palavra que, muitas vezes é associado com “obrigado”, talvez porque fomos ensinados a dizê-la quando crianças . Usando esta palavra num pedido torna as pessoas mais felizes por cumpri-lo. Quando pedimos á parceira (o) para passar o sal no jantar, use o “por favor”. Pedir gentilmente só faz bem e dá exemplo de educação e respeito.

“Aqui, tome meu lugar.” A maioria de nós tem a sorte de poder facilmente ficar em autocarros sem correr o risco de cair. Se você vir alguém idosos, grávidas lutando de alguma forma (talvez uma mãe com uma criança pequena), ofereça-lhe seu lugar. Se você estiver preocupado em ofendê-los, diga um “Estou sair logo” ou algo ligeiramente jocoso como “eu preciso fazer alongamentos com minhas pernas.”

“Esta é por minha conta.” Saíu para tomar umas bebidas com um amigo ou conhecido ? Em vez de insistir sobre a divisão da fatura ofereça para pagar a conta. É bom sentir-se generoso, e também sentir que você está recebendo um presente – seu amigo (a) pode retribuir da próxima vez. Uma nota de advertência : se você está em melhor condição financeiramente do que seu parceiro de drink, seja sensível a este respeito.

“Deixe-me ajudar com isso.” Se você vir alguém lutando, ofereça ajuda. Pode acontecer da sua ajuda ser rejeitada , mas a maioria das pessoas vai ser grata – fazer o dia de alguém mais fácil, irá colocar uma pitada de alegria no seu dia . Por exemplo , ajude pessoas : A Lutar com uma cadeira de rodas; A carregar bagagens pesadas num metrô, ônibus,etc;A carregar uma bandeja em um café; Pessoas com dificuldades de leitura;Mantenha seu olho atento a tantas outras situações em que você pode ser útil!

“Não creio que tenha conhecido. Eu sou [seu nome].” Se você conhecer alguém novo, não apenas resmungue sobre as condições meteorológicas , diga “oi”, diga-lhe o seu nome, e peça o dele. É embaraçoso falar com alguém durante dez minutos antes de ter de dizer “Desculpe, eu não entendi seu nome,” esteja confiante e aberto quando conhecer novas pessoas.

“Eu sou realmente apaixonada é por…” Então, muitas vezes, conversas giram em torno de assuntos de pouca importância para o falante e ouvinte. Se você acha que a maior parte do que você diz é só conversa fiada, tente ir mais fundo. Obviamente, isso não significa contar todas a sua vida e “alugar ” a pessoa ao seu lado no ónibus com toda a sua história -, mas quando você está começando a conhecer alguém, partilhe alguns dos seus hobbies e interesses, ou informe-o sobre os planos de vida. Você nunca sabe, você pode ter encontrado um parente de “espírito”.

“Tenha um ótimo dia!” Embora frases como “tenha um bom dia” que é normalmente mais usado pelo pessoal de televendas, deveriam ser comumente usadas por nós . É simpático desejar um bom dia, boa noite ou um bom final de semana quando você parte. Fale com verdadeiro entusiasmo, e você quase certamente terá um sorriso e um “obrigado, você também!”, em resposta – uma óptima maneira de terminar uma conversa em bom tom.

“Eu gosto de você.” Por último, as três mais importantes palavras, “eu gosto de você.” Você diz estas palavras para as pessoas que você gosta ? Não basta pensar sobre isso – sobre o modo como ama os seus filhos, seus pais, sua avó , seus amigos . É fácil presumir que as pessoas “saibam” mas, por vezes, ouvir essas palavras pode realmente fazer o dia de de alguém mais feliz. Isso para já é tudo.

Boa noite para quem é de boa noite , Bom dia para quem é de bom dia

Read Full Post »

A maneira como vemos as coisas muda a perspectiva de tudo, nao é mesmo? Tem sido esse o tema dos ultimos dias, foi esse o tema de um conversa que tive com minha irma Aninha, ontem, no messenger… Entao, resolvi publicar aqui um texto que me ajuda sempre que o releio.

Esse texto é da Denise Arcoverde do blog Sindrome de Estocolmo

Dicas pra sobreviver fora do Brasil!

Esse post, eu escrevi ha’ varios alguns meses la’ no blog e as reacoes foram super interessantes. Muita gente me escreveu dizendo que tem tido uma postura muito negativa e que esse post ajudou a ver as coisas de outra forma. Por isso, resolvi reproduzir (e adaptar um pouquinho) aqui:

(…)

Viver fora do seu pais nao e tao facil. Mas eu acho que é muito importante ter não somente uma visão positiva, mas mesmo uma postura positiva, pra ser feliz.

Fiquei pensando no que eu diria pra alguém que mudou pra outro país, ou está pretendendo mudar, para que possa ser mais feliz. Acabou ficando uma lista muito grande, mas você pode ir lendo aos poucos, uma coisinha por dia… ah, e acrescente outras nos repliess, OK? lembrando sempre que essa é a minha perspectiva e não quer dizer que todo mundo deve seguir ou concordar comigo!

1. Não esqueça nunca de onde você veio, sua pátria fez de você o que você é, mas deixe isso guardadinho em algum lugar no seu coração, não fique falando ou pensando nisso o tempo todo e comparando os dois países. Agora você está começando vida nova e deve isso a você e à(s) pessoa(s) que está(ão) lhe acompanhando nessa jornada.

2. Em ambos países você vai encontrar coisas boas e ruins, a diferença é que estamos sempre mais acostumadas com as coisas ruins de onde viemos. Existe coisa pior que ver crianças nas ruas passando fome, pedindo dinheiro, cheirando cola? quem diria que alguém pode se acostumar com isso? mas nos acostumamos, não é?

3. Tente esquecer os estereótipos. Esses são apenas caricaturas, e estamos convivendo com pessoas reais. Nem sempre brasileiros são tão amigáveis e nem sempre os “gringos” são tão “frios”. Gosto de lembrar uma festa que eu fui na Suécia há vários anos atrás. Aniversário de 70 anos (imagine), achei que ia ser um tédio mortal, mas nunca fui tão bem tratada e me diverti muito. Literalmente TODAS as pessoas da festa vieram falar comigo, se apresentaram, perguntaram sobre mim, foram extremamente gentis, pessoas de todas as idades. Cerca de um mês depois fui a uma festa, em São Paulo, na casa do meu irmão. Uma turma descolada, do “mangue beat” pernambucano em Sampa. Praticamente ninguém falou comigo. Não conhecia ninguém e ninguém fez questäo de se apresentar. Portanto, tudo é relativo.

4. Outro estereótipo que eu detesto é que só brasileiro sabe se divertir, que a vida aqui é monótona, que os shows não tem emoção. Já comentei aqui no blog um show que fui do Blur, banda pop britânica, que eu adoro. O show foi o melhor da minha vida. Todo mundo se divertiu muito, dançou horrores, gritou, se emocionou. Com uma diferença, não tinha bebida. Acabou o show, todos sairam ordeiros pras suas festas pós-show ou pra casa. Ninguém quebrou os pontos de ônibus ou fez bagunça nas ruas. Adoro isso! Talvez você não esteja tendo oportunidade, ainda, pra se divertir mas isso não significa que os “locais” estão tendo uma vidinha tão insípida assim!

5. Quando se quer falar que as pessoas da Europa são frias, se diz que eles entram no metrô e enfiam o livro na cara, não olham, nem falam com ninguém. Bem, pelo menos em Recife, não vejo ninguém puxando conversa em ônibus e quando fazem isso as pessoas já ficam com medo, pensando que é um assalto. Não vamos ter expectativas exageradas do povo daqui, né?

6. Que tal porcurar o lado positivo das pessoas do local? aqui eles são honestos, ordeiros, organizados… isso tudo pode ser bom… são “sovinas”, “neutros ao extremo”, “arrogantes”… então vamos tentar achar isso engraçado?? enfim, aprender a conviver com o que a gente tem, pode ser a regra de ouro da felicidade!

7. Não adianta reclamar do clima. Tá frio? tem que se agasalhar. Aqui, na Suécia, se diz que “não existe frio, mas gente mal agasalhada”, Ok, é um certo exagero, aqui tem frio e muito. Mas, não há nada que se possa fazer em relação a isso, é o que digo sempre à Bia. Entäo, vamos tentar ver o lado positivo… você não vai ficar toda suada, pode usar uma linda maquiagem que não derrete e dura a noite toda, as roupas são lindas, a gente fica mais elegante. E o que eu adoro… diminui a ditadura do corpo perfeiro, ninguém tá vendo tudo mesmo, fica todo mundo mais ou menos na mesma “posição”. Ah e eu adoro abusar de luvas e cachecóis lindinhos (e baratos!).

8. Quando sair de casa, olhe a cidade com olhos de turista, pense “gente, quantas pessoas não adorariam estar vendo essa cena, hoje, e eu estou aqui?” estou sempre descobrindo novas facetas da cidade, novas caras. Pego o metrô e me delicio vendo Gamla Stan, TODAS as vezes que passo por ela… estar num lugar lindo é um privilégio que, às vezes, a gente esquece. Eu já fazia isso em Olinda,
quando ia entrando na cidade eu pensava “e os gringos pagam uma nota pra ver minha cidade, que é tão linda e eu tenho de graça, todo dia!”.

9. Valorizar essas pequenas coisas do lugar em que você vive é fundamental. Você não gosta da comida? sempre tem UMA coisinha pelo menos que você vai gostar. Ai, se delicie com ela, ao invés de ficar procurando feijão e goiabada nas lojas especiais. Não tenho quase nenhuma saudade da comida do Brasil. Esqueço que ela existe, por que não é mais uma opção pra mim e não dá pra se viver de ar, nem de nostalgia. Adoro kokosbola, adoro as verdurinhas congeladas, adoro cuscuz marroquino, amo iogurte de blueberry… queijo de coalho?? o que é isso?

10. Não deixe a saudade acabar com você. Mais uma vez, lembre-se que foi sua OPÇÃO… essa é a palavra chave. As pessoas que ficaram no Brasil e lhe amam querem ver você bem. Seja feliz e deixa a saudade, também, guardadinha lá no fundo do coração.

11. Evite viver em guetos. É muito legal encontrar brasileiros, trocar idéias (mas evite ficar só falando mal do país e das suas saudades do Brasil!), ouvir nossa música juntos, mas não se restrinja a isso. Tente estabelecer contatos com pessoas nativas do país e outros migrantes. Absorva novas culturas, isso é refrescante, revitalizante. Saber que existem culturas diferentes da sua e respeitá-las é o primeiro passo para a tolerância.

12. Aprenda o idioma local. Mas “take your time”, faça-o quando você se decidir (também não vale esperar mais de um ano pra começar!), se puder se virar em outro idioma. É fundamental aprender o idioma, mas é melhor se você estiver com a mente aberta, e às vezes é necessário um tempo para adaptação.

13. Pense que, pelo menos no começo, você é um(a) turista com mais tempo pra conhecer a cidade… vá visitando todos os museus, mas agora com muito mais tempo, um por dia, vá conhecendo todos os pontos turísticos, a cidade tem muito a oferecer e você tem tempo… e lembre que, muitas vezes isso pode custar pouco ou quase nada.

14. Não se deixe contaminar pelo mal humor de outras pessoas. Evite as longas conversas do tipo “eu odeio esse país por que…”. Desmonte seu parceiro de papo mostrando tudo de bom que você encontrou aqui.

15. Lembre que você não está sozinha e seu mau humor vai contaminar os outros. A maioria de nós, pelo que percebi nos blogs, veio parar aqui por AMOR. Viemos por que quisemos, eles (ou elas) podiam ter mudado pro Brasil, mas, nesse momento, decidimos que a melhor opção é viver fora do Brasil. Então, respeite a pessoa que você ama, respeite sua cultura, suas tradições, seu país. Evite conflitos do tipo “se eu estivesse no Brasil seria diferente”. Pode ser um atalho pro amor ir embora. Ah, e exija respeito com o Brasil também!

16. Use e abuse da Internet. Não apenas para matar as saudades do Brasil, saber notícias de lá, se comunicar com sua família… mas também para ir descobrindo sua nova pátria, visitando os sites de turismo da sua nova cidade, descobrindo o que tem para oferecer. Visite o site do Governo local, veja quais os direitos e deveres que você tem, como imigrante, conheça mais da cultura local.

17. Faça seu blog. Eles são uma delícia, você encontra grandes amigos e compartilha com outras pessoas as suas experiências.

18. Nossa música é a melhor do mundo, certo? sem dúvida, mas não custa experimentar novos tons. A palavra mágica para um imigrante é EXPERIMENTAR. De tudo, música, dança, comida, bebidas, tudo que estiver ao seu alcance.

19. Imigrante não é um palavrão. Entre 1800 e 1930, não menos que 1.5 milhão de suecos tornaram-se imigrantes na America do Norte. É tudo uma questão conjuntural. Quantos portugueses, italianos, espanhóis, ingleses, não acolhemos no Brasil? Ainda mais num mundo globalizado como esse, somos todos, cidadãos do mundo!

20. O mais importante de tudo… NUNCA, mas NUNCA mesmo se sinta inferior aos nativos do país. Você está lá por uma contingência da vida, não está lá pra se aproveitar do país deles. Está se sentindo discriminado, procure um órgão que defende o imigrante, que existe em quase todo luga… denuncie… a discriminação é velada? ignore, despreze… quando eu acho que alguém (geralmente os mais velhos) pode estar olhando pra mim com alguma discriminação sempre penso “coitado, nem imagina tudo de bom que eu tenho no meu país”… e lembre sempre que você tem um enorme valor e pode trazer grandes contribuições para o seu novo país. Lembre sempre que a França nunca teria sido campeão do mundo, se não fosse Zidane, que tem origem na Argélia.

E viva as diferenças!!!!

Read Full Post »

Irmandade

As diferenças me torturam. Nao tanto as fisicas, mais as emocionais. Quando digo “torturam” é porque sinto a agonia, a dor, a confusao mental, raiva, impotencia e toda sorte de sentimentos que possam vir acoplados às praticas de tortura.

Na minha busca pessoal sei que preciso superar isso observando, aceitando e aprendendo, mas nao, eu resisto, rejeito, grito e esperneio. E é muito pior, eu sei.   Tenho tentado aproveitar cada momento em que a loucura nao me toma inteira e com a pouca lucidez que às vezes consigo manter abro bem os olhos e fixo em silencio por alguns poucos instantes sem julgar, mas logo vem a nàusea e… o medo, talvez seja isso… medo. Mentalmente eu repito: aceita, LuLu, aceita… se abandona… deixa fluir, deixa? E eu là, achando que to conseguindo e de repente a coisa desanda.

Sò sei que foi por isso que o universo me deu irmas. Das de sangue. Sò pode ser.  Para que desde cedo eu exercitasse a diferença. Pra ver se eu apreendo por osmose. Porque é muita diferença, viu? E’ tanta que desequilibra o sujeito. Nao é daquelas  harmonicas e pacificas, nao… Daquelas cheias de sorrisos, olhares cumplices, cena de café da manha de comercial de margarina, dialogos inteligentes e mais sorrisos, declaraçoes de amor-pra-dar, sorvete  Häagen-Dazs comido ainda no pote com colher, na cama, em meio à confissoes adolescentes. Poisé. Nunca foi. E nem sei se serà.

Read Full Post »

Um certo tipo

Tem um tipo de gente que acorda cedo, pouco depois que o sol saiu, se lava, se veste, calça um tenis e vai dar uma caminhada de meia hora no bairro, na volta aproveita e colhe umas flores do jardim e enfeita a mesa da cozinha enquanto prepara o café da manha sempre com frutas frescas cortadinhas em cubinhos, harmoniosamente ajeitadas numa tijela onde se le “Carpe Diem”, junto com mel e fibras naturais sem adiçao de açucar.

Eu sou do tipo que dorme de màscara nos olhos pra nao ser perturbada com nenhuma frestinha de luz e acorda quando o sono acaba, o que em geral  nunca é antes das oito da manha, tira a mascara, mas sò abre o olho depois de alguns minutos e bem devagarzinho pra acostumar com a luminosidade.  Sempre de pijama calça as pantufas, se lava,  jà sentindo o estomago roncar fortemente, toma um achocolatado instantaneo ou capuccino instantaneo com leite  e bastante açucar, acompanhado de bolo, ou muffin, ou pao de queijo, ou bolachas amanteigadas, ou biscoito de maisena, ou um sanduiche de pao de forma com presunto e queijo, ou ovos mexidos com pao de forma, ou pao de forma com manteiga, ou torradas francesas…  Jà deu pra entender: carboidratos.

Tem um tipo de gente que abre todas as cortinas da casa, acende um incenso de essencia de sandalo,  lentamente estende um tatame,  estrategicamente  enrolado num angulo da sala, se alonga sob o frio sol  que entra de uma das janelas enquanto ouve um CD de musica instrumental indiana que ativa cada um dos chacras do seu corpo, com os olhos fechados, em harmonia com os passarinhos là fora, a mae terra, expirando e inspirando lentamente e fazendo pausas de cinco segundos entre uma respiraçao e outra.

Eu sou do tipo que abre todas as cortinas da casa, liga o radio na primeira estaçao que toca rock, liga a televisao, acessa a internet e pega uma revista e… le uma materia da revista, zapeia todos os canais da TV e acessa os blogs preferidos enquanto ouve o locutor falando, tudo ao mesmo tempo aqui e agora, deitada na cama com as pernas pra cima, porque ainda é muito cedo pra se mexer demais.

Tem um tipo que se motiva com cada detalhe e acha que a vida é bela, cor de rosa, que as pessoas sao todas simpaticas, que cada um tem seu problema e um motivo para nao estar bem, entao aceita uma resposta atravessada como um aprendizado, sorrindo sempre, respirando sempre,  fazendo pausas sempre, falando devagar e andando de onibus e a pé pra chegar no trabalho de assistente de auxiliar de faxina de um motel de estrada, ganhando por mes uma quantia que no Brasil gastaria  sò de salao, manicure, massagista e depiladora , pensando: Ahhh, pra que fazer as unhas?

Eu sou do tipo que se deprime com a falta de sol e acha OITO meses de frio e esse solzinho de mer*… um absurdo para um ser humano e nao tolera nenhum tipo de machismo, racismo, xenofobia, ignorancia e grosseria de ninguem e responde sempre fazendo discursos inflamados, irritada,  imaginando o tempo inteiro as coisas boas que poderia estar fazendo no Brasil, lembrando dos amigos, da agenda cheia, do home office, da agitaçao da night, da manicure que vinha em casa, da drenagem linfatica e limpeza de pele semanal, pensando na maldita idéia de largar toda a sua estrutura de vida pra trás por um amor e uma cabana, na grandessísima  ingenuidade ou imbecilidade de acreditar que talvez poderia viver melhor na Europa do que no Brasil.

Tem um tipo de pessoa que pega suas decisões e carrega a vida toda com uma certeza quase divina.

Eu sou do tipo que se arrepende.  Eu reclamo, eu esperneio, eu resmungo, eu repenso… Onde é que eu fui amarrar meu jegue?

Read Full Post »

Ausencia

Hà anos eu tenho a sensaçao que, de vez em quando, a vida acelera e eu perco um pouco a noçao do que se passa ao meu redor. Como se a vida fosse uma estrada feita de poeira, desenhada no chao, reta, longa, sem inicio ou fim, e eu a percorresse deixando minhas marcas ao caminhar, mas em algum momento alguma coisa me solevasse improvisamente e me transportasse adiante e quando me desse conta, guardando o caminho jà percorrido, tivesse deixado pra tras alguns trechos sem pegadas.

A sensaçao que tenho pode ser descrita de outra forma através da musica que, nesse momento, ressoa na minha cabeça. A musica é de Chico Buarque, Roda Viva, e faço minhas as suas palavras:

Tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu. A gente estancou de repente ou foi o mundo entao que cresceu. A gente quer ter voz ativa e no nosso destino mandar, mas eis que chega a roda viva e carrega o destino prá lá. A gente vai, entao, contra a corrente até nao poder resistir e na volta do barco é que sente o quanto deixou de cumprir. Faz tempo que a gente cultiva a mais linda roseira que há, mas eis que chega a roda viva e carrega a roseira prá lá. A gente toma a iniciativa e viola na rua a cantar, mas eis que chega a roda viva e carrega a viola prá lá…

E’ assim que me sinto. Exatinho. Sem tirar nem por.

Read Full Post »

Fala recolhida

Me perdoe a ausencia, mas sou absolutamente fiel aos meus desejos. E, nos ultimos dias desejei mais do que tudo estar em silencio… e assim foi. Coisa rara, sabe? Quem me conhece acho que nem consegue imaginar. Rarissima. Coisa de se espantar.

O curioso é que sempre que passa o mutismo absoluto vem de repente uma torrente de palavras e sinto que posso escrever ou falar por tres dias seguidos sem parar, de tanta idéia acumulada na cabeça. Hihihihi.. Essa particularidade da minha pessoa me remete a quando a Emilia, boneca do Sitio do Picapau Amarelo, depois que ganha vida começa a falar apòs tomar a pilula do Doutor Caramujo.

Foi assim: Narizinho a levou, ainda muda, ao Doutor Caramujo, médico conhecido no Reino das Águas Claras por inventar pìlulas falantes. Ele pos uma pìlula na boca da boneca que a engoliu e… desandou a falar por tres horas, sem parar. Tanto tagarelou que Narizinho, atordoada, perguntou se nao seria melhor faze-la vomitar a pìlula e, sei là, engolir uma mais fraca. O médico disse que nao: “Depois de algumas horas de falaçao, ela sossega e fica como toda a gente. Isso é fala recolhida, que tem de ser botada para fora”, explicou o Doutor Caramujo.

Entao… me aguarde… Hehehehehe.. 🙂

Read Full Post »

Dia do Silencio

Read Full Post »

Boris Mihajlovic Kustodiev, Russia, 1878-1927

boris-kustodiev_cc5b4ebf01

Merchant’s wife, 1918 – Fonte: Gatochy

Boris-kustodiev_La belle

The Beautiful, 1915 – Fonte: Tyk!

 

Fernando Botero – Colômbia, 1932

botero-fernando-the-letter-1976

The Letter, 1976 – Fonte: Fotos.org

 fernando-botero

Woman in Front of a Window, 2004 – Fonte: artnet.com

 

Peter Paul Rubens,  Alemanha, 1577-1640

rubens_tres_gracas

As Tres Graças, 1638 – Fonte: Sombria Elegancia

rubens_woman-with-a-mirror-c_1640

Woman with a Mirror, 1640 – Fonte: O Mundo Inominavel

 

Tem muitos mais pintores que projetaram em suas telas mulheres lindas-gordinhas-gostosas-encantadoras-charmosas transformando-as em famosas pinturas, e muito mais obras desses que selecionei, mas jà tà bom assim. Me detive aqui fiel àqueles artistas que realmente manifestaram apreço por suas modelos e o declaram publicamente, e nao pensaram como alguns pensam: “Um artista faz o que pode com o que tem. Nem sempre ele tem o ideal…”, ou: “Usei modelos gordinhas porque as gostosonas cobram bem mais caro.”, a meu ver, desprezando as pessoas que posaram pra eles e reforçando um conceito de “padrao de beleza” onde “gostosa” é sò quem é magra.

Bom, a grande inspiraçao pra esse post veio, na verdade, com uma inocente busca no Google onde eu coloquei: “quadros, gordinhas” e, dentre os resultados, me deparo com essa foto minha!!!

 lulu_roma_2008

E’ uma foto, tirada em Roma pelo marido Ernesto, que publiquei aqui no Mundo Novo. O post que gerou a foto nao tem nenhuma palavra que faça referencia aos termos de busca em questao. Foi uma ediçao que fiz de fotos das estaçoes do ano e, no caso, essa foto ilustrava um visual de verao. Eu até jà falei sobre quadros de gordinhas nesse post aqui, e talvez seja por isso que o Google redireciona essa foto, sei là. Tem outras fotos daqui do Mundo Novo no resultados da pesquisa, mas entre tantas porque serà que essa foi a primeira? Tomei um susto, mas eu adorei, juro! Eta mundinho, nao? Ai..ai..

Porque esse mundo é dinamico e podemos apreciar bem mais a paisagem se nos mantivermos conscientes de nòs mesmos, se aceitarmos nossa realidade,  nossos limites, se vivermos com prazer o dia de hoje, o momento atual, enxergando-o como o “presente” que ele efetivamente é.  E, afinal, estou gordinha, sou gostosa ;-), estou saudàvel e sou normal!

Da série: Quilos a mais – se nao pode vence-los, una-se a eles!! 🙂

Ou ainda: Eu me amo como eu sou!!!

Nota da LuLu: Todo o respeito por quem é magrinha e quer ser magrinha, por quem é gordinha e quer ser magrinha, por quem é magrinha e quer ser gordinha, por quem é gordinha e quer ser gordinha.. enfim, respeito é bom e eu gosto, ok?

Read Full Post »

Participo do mundo virtual com publicaçoes desde nem-sei-mais-quando.  Comecei là pelo ano 2000 acho, quando iniciei a fazer fotos digitais pra valer e a publica-las no MSN com alguns comentarios simples e, naquela época, jà com uns poucos feed backs que recebia, achava o maximo a exposiçao que aquilo tinha. 

Em maio de 2005 comecei a escrever (e ainda escrevo) o meu primeiro blog o CaFôFo da LuLu quase como uma terapia, pra dar voz as vàrias pessoas que habitam dentro de mim. Uma especie de catarse pessoal, no sentido de purgaçao. Tem até uma aba de menu là em cima do blog (memorias) onde eu cato e re-publico umas palavras antigas que ainda insistem em falar. Naquela época o UOL era uma das melhores opçoes pra hospedar minhas idéias, e assim continuou por mais de 3 anos, mas depois comecei a acha-lo limitado, pesado até que, com a mudança pra Italia, decidi começar um outro blog num outro host, mas ainda amador. Testei, entao o Blogspot… Comecei a escrever receitas praticas do dia-a-dia num blog criado por uma amiga, o Dez Minutos, e Pronto! Uma experiencia que continua e é otima. Acabei trazendo para uma aba do menu là em cima (receitas)  algumas  delicias de là… Testei, por fim o WordPress, gostei muito mais e decidi criar um novo espaço pessoal aqui. Assim nasceu O Admirável Mundo Novo da LuLu. O porque do nome? Isso eu conto qualquer dia num outro post.

Entao, esse negocio de blogar até hoje sò me deu prazer, viu?  O que me dà mais prazer nisso tudo é a publicidade da coisa. Esse meu lado aparecido-de-ser se sente bem em ver e ser visto. No começo pesou muito a responsabilidade  em clicar na palavra “publicar” depois de escrever um texto. Nao demorou a cair a ficha da importancia de tornar as minhas idéias maluquinhas que até entao chegavam somente até um grupo seleto de amigos, de uma hora pra  outra  acessiveis a pessoas que nao conheço. Naturalmente reforçei o cuidado com as palavras e ao mesmo tempo o contrastante desafio de manter-me integra, inteira e verdadeira. Me sinto “eu” mas ao mesmo tempo uma personagem. E’ um fenomeno interessante e ainda penso em fazer uma tese de mestrado sobre isso.

Junto com o prazer o dever, assim eu aprendi. Ou era o dever primeiro e o prazer depois. E com o dever, as regras. Leis e regras existem para o bem comum e precisam ser respeitadas. Educaçao, honestidade e lisura sao tao importantes quanto o conteùdo ( às vezes até mais). Noçoes de espaço e forma criam harmonia. Limites sò sao limites se sao bem estabelecidos… A casa aqui é minha, verdade. O mundo aqui é meu, tà certo. E a vizinhança é de todos nòs. Ponto final. Bàsico. Faço o que eu quiser no meu mundinho e nao incomodo ninguem, assim como nao gosto de ser incomodada. Uma coisa muito importante: eu nao roubo. Se tomo emprestado peço antes ou aviso que tomei. Creditos sao pra serem creditados, senao seriam débitos.. e eu exijo os meus… por vaidade, picuinha…? Pode até ser, mas prefiro assim: Gostou? Pede que eu empresto. Juro… na boua.. empresto e fico feliz em compartilhar, mas se nao pedir… Ai,ai,ai…   pode até pegar uma vez sem eu ver, mas vai ser sò uma e a briga vai ser feia. Isso eu garanto. Pergunta pras minhas irmas. Brava a menina!! Ui!!

Cada um dos meus blogs pessoais referem-se a mesma LuLu, mas sao bem diferentes. O CaFôFo é fofo, é cantinho magico, é café-com-leite, é adolescente, é poético, é inconstante, é instàvel e é essencialmente um monòlogo. O Mundo Novo  jà comecou com uma proposta diferente do CaFôFo. O Mundo Novo é quase um diàrio da LuLu, é auto-biografico, é adulto, é livrinho de cabeceira, é bula de remedio, é bolsa de àgua quente, é ombro amigo, é pedido de socorro, é mural de avisos, é caderno de anotaçoes, é album de retratos… e é no mìnimo diàlogo ou quem sabe, roda de bate-papo.

Depois de escrever blogs e soltar as doidices pelo mundao afora, e sem freio, o que eu mais gosto é de receber comentario. Pode ser aqui mesmo ou por e-mail, ou ainda via messenger, mas é sempre um imenso prazer trocar idéias. Lugar comum de todo blogueiro, eu sei. Nao ligo de nao ser original. Eu gosto mesmo é de gente e de me comunicar e deve ser por isso que eu gosto tanto de falar e de escrever. Algumas novidades vieram com o Mundo Novo como a tal “Blogagem Coletiva”, os “Memes” e os “Selos”. Nunca tinha participado de nada desse tipo na época do CaFôFo. E com essas atividades de rede da blogosfera veio gente nova visitar o meu humilde mundinho e eu fiquei feliz à beça! Que sensaçao estranha e ao mesmo tempo otima de conhecer gente nova virtualmente! Nunca tive (nem tenho) pretensoes de ter um Mundo superpovoado (é assim sem hifen?) por isso nao faço publicidade, sò participo do que me dà vontade, se o tema coletivo for sobre algo que eu realmente goste de falar (da minha pessoa e do meu mundo, basicamente) e sò participo de jogos, correntes, memes e selos se tiver alguma coisa que me acrescente. 

Aliàs, paragrafo especial sò pra falar sobre os SELOS… Com todo o cuidado e respeito aos queridos que pensaram em mim e aos selos que me foram dedicados: Alguém mais além de mim acha que a coisa jà ta  perdendo  a graça, o rumo, o jeito e o sentido verdadeiro? Serà que sou sò eu que vejo banalizaçao em mandar o mesmo selo pra todo mundo e repetir duzentas-e-cinquenta-e-dez vezes a mesma coisa? Nao tà parecendo mais aquelas correntes chatééééérrrimas que existem desde a época das cartas de papel que chegavam na nossa casa ameaçando: se voce nao passar pra mais oitocentas pessoas a casa vai cair… seu emprego vai cair, seus cabelos vao cair, seus peitos vao cair, o seu nariz vai cair…? Tirando a parte da ameaça.. Nao tà nao? Olha, pra deixar bem explicado: eu reconheço todo o carinho implicito (e explicito) nos selos que eu recebi, viu? Reconheço, agradeço e nem sei se mereço.. sò pra rimar. O que eu questiono é a quantidade de selinhos que surgiu de uma hora pra outra na blogosfera e a quantidade de pessoas para as quais “temos” obrigatoriamente que repassar os benditos selos. Eu nao faço essas coisas por obrigaçao de fazer. Se é obrigaçao acaba por perder o sentido de mérito, nao acha? Sei là, eu comecei a achar chato, sabe?

Pra encerrar (finalmente affff!.. esse post tà parecendo a Carta de Pero Vaz de Caminha de tao longa!) eu quero agradecer às pessoas que me acompanham nessa aventura blogosférica (existe isso?)desde sempre. Quero agradecer também aos que me seguiram nessa nova fase da nova vida que iniciei na Italia, aos queridos e queridas que me visitaram desde a minha ultima blogagem coletiva e deixaram recadinho e aos que vem chegando de mansinho sem dizer nada. Quero especialmente saudar esses novos amigos e dizer: Sejam bemvindos ao meu Mundo Novo.

Beijo.Ciao.

LuLu.

LuLu_2009_04_04_messina-172b

Read Full Post »

dali_mundo

O nascimento do mundo - Salvador Dali - 1943

Hoje, o Dia da Terra é comemorado por milhares de organizaçoes, em centenas de países, com o objetivo de conscientizar as comunidades sobre a importancia da preservação do Planeta Terra. A data foi criada nos Estados Unidos em 1970, com o primeiro protesto contra a poluiçao, convocado pelo Senador norte-americano Gaylord Nelson, e passou a ser comemorada por outros países à partir dos anos 90.

Como abertura escolhi esse impressionante quadro do mestre Dali para ilustrar a mensagem mais importante do dia de hoje: a Terra somos nòs. Nao é à toa que muitas religioes e filosofias associam o nascimento do homem ao barro, ao pò e à terra. Nao é à toa que nosso corpo, carbono que é, retorna à terra. Nao devemos nos destacar do planeta e ve-lo como uma parte de fora de nòs mesmos, pois a nossa consciencia é também a consciencia da Terra.  Planeta,  terra, plantas, animais, seres humanos… somos interligados, interdependentes e intimamente relacionados.

Bom, na pratica o que eu acredito é que devemos cuidar de nòs, do nosso pequeno universo, aquele que està ao nosso alcance no dia-a-dia, e ao fazermos isso, o bem estar se reverte para o universo. Pequenas atitudes conscientes como beber 1,5 litro d’àgua todos os dias, comer frutas e verduras regularmente, consumir produtos de estaçao, aproveitar cascas e sementes, caminhar, sorrir, ler, economizar papel, meditar, fechar a torneira quando escovamos os dentes, nao tomar banhos demorados, reciclar embalagens, usar eletrodomesticos que economizem energia elétrica, nos mantermos alertas… E por aì vai.

Na progranaçao do Dia da Terra 2009 o National Geografic Channel tem uma série chamada Voce Quer Mudar o Mundo? Comece Pelo Seu (clique aqui para ver)  que dà dicas de cuidados com o ambiente, educaçao ecologica, reciclagem, economia de àgua, papel, combustiveis e energia mostrando numeros que mostram, por exemplo, que a economia de UM MINUTO de chuveiro se reverte em SETE MESES de àgua para uma pessoa do planeta. Todas as informaçoes sobre o que é possivel se fazer por nòs e pelo Planeta estao relacionadas na série: Voce Sabia? (clique aqui para ver). E’ a isso que me refiro quando digo que o que fazemos em nosso pequeno mundinho se reflete no universo inteiro. Se voce souber de mais açoes assim, conta aqui pra mim.

Vivo dizendo isso, porque acredito piamente: somos um

Para encerrar deixo aqui um video-mensagem… Trata-se do clipe da musica “Moving” de uma banda espanhola chamada “Macaco” com a mensagem: “O que voce faz conta” que tem a participaçao de artistas como javier Bardem, Carlinhos Brown, Rosario Flores, Juan Luis Guerra….

 Para ver no Youtube clique aqui..

Read Full Post »

Eco-lògica

Bom, se voce ainda nao sabe eu vou te contar: jà começou a era da àgua. O que isso significa? Significa que nao serà mais por causa dos poços de petroleo que o mundo vai brigar, mas por cada pedacinho de terra que tenha os maiores recursos hidricos do planeta. O petròleo move a industria, as maquinas e o progresso… E a àgua? Move os seres humanos!!

Num paìs como o Brasil, onde a azulzinha é limpida e abundante, isso parece brincadeira de criança. Jà do lado de cà, do velho mundo, onde os caras usaram e abusaram do que nao é de ninguem mas é da humanidade, qualquer litrinho de àgua mineral vagabunda jà custa em média 0,15 centavos  de euro! Se pra sobrevivermos nesse mundinho-de-meu-deus nos ensinam que devemos beber AO MENOS dois litros de àgua por dia, faz aì as contas da encrenca: Sao 108 euros e 720 garrafas plasticas jogadas no lixo por ano! Dòi no bolso e na consciencia também.

Nao é por que sobra no Brasil e falta de cà que nao devemos TODOS aprender a economizar àgua. Vamos cair na real? Nao é uma questao de ecologia, é sobrevivencia, mesmo!! No fim das contas aquela història de que o bater de asas de uma borboleta numa parte extrema do planeta influencia as marés de uma outra parte, nao me parece assim tao absurda.

economiadeagua

 

A dica da tabela de economia de àgua eu tirei do blog Favoritos.

A tabela original voce encontra aqui.

Read Full Post »

A B. do blog Brasil Na Italia publicou uma notinha de uma polemica que eu resolvi reproduzir aqui:

Polêmica italiana: laranjada sem suco de laranja!
A notícia foi divulgada em todos os jornais italianos e trata-se da mais nova polêmica do momento: o senado acaba de aprovar uma lei européia que elimina a obrigação de um conteúdo mínimo de 12% de suco de laraja nas laranjadas. Os agricultores estão furiosos e dizem que é um dano para a saúde e para os negócios.

A primeira impressão é que se trata de mais uma reclamação de quem não tem o que fazer. Mas parando para refletir, podemos imaginar o prejuízo para os agricultores que vivem da produção de laranja, e passarão por uma redução consistente de venda em uma época dita de crise. Ainda por cima, a prejuízo do consumidor, que perde em qualidade do produto.

Para quem quiser saber mais, confira algumas das manifestações: artigo no jornal La Nazione e discussão em outro blog (os dois em italiano).

 

A notinha me atinge diretamente. Primeiro porque a unica bebida, digamos assim, nao-natural ou fabricada, que eu tomo é a tal da laranjada, gasosa ou nao. Sem contar o vinho, claro, que nao falta nunca. Segundo porque  essa medida é um grande contra-mao no movimento natural de busca de bem estar, de garantir um minimo de qualidade nos alimentos que venho vivendo. Eu sò nao, o mundo inteiro!  Mas por outro lado, refletindo bem, se os caras nao garantem que a laranjada tenha no minimo os 12% de suco natural e vitamina C garantidos até entao, eu vou acabar tomando SOMENTE suco natural (o que é òòòtmo!) e no fim das contas quem sai ganhando sou eu. Hehehehehe.

Eu e a minha eterna sindrome de Pollyana. Voce conhece esse livro? Poisé, ando numa fase total de “jogo do contente”, viu?

Read Full Post »

Q-boa

Tà tudo limpinho, limpinho no computador. Que nem roupa branca lavada com Q-boa. O slogan dessa marca de agua sanitaria dizia: Encardiu? Lava com Q-boa! E entao, acabou virando, pra mim, sinonimo de limpeza absoluta. E’ garantido que a mancha sai, mas sai também aquele pinguinho de tinta que te lembrava um dia especial. O encardido sai, mas junto com ele a impressao da etiqueta do fabricante.

 

Fizemos o que foi necessario, mas estamos partindo do zero. Tenho que reconfigurar tudo de novo, feeds, sites e blogs amigos, preferencias, cores… Nenhum arrependimento. Acabei foi refletindo no quanto juntamos porcaria ao longo de nossa caminhada. Esse ultimo ano de mudança de paìs jà exigiu de mim uma força sobre-humana pra decidir o que trazer e o que deixar pra tras. E de novo, depois dessa renovaçao forçada do nosso computador,  a maior liçao foi a do DESAPEGO.

 

Minha ignorância, meus apegos, meu desejo, meus ódios!

Eis aí, na verdade, os meus inimigos.
– Dalai Lama –

Read Full Post »

Pregui..

E’ tanta, mas tanta.. que, como diz o mineirim, nem dà pra escrever o ..ça.
Se aboletou na minha vida que nem parente do interior que vem pra tomar um café numa terça-feira de tarde e fica… e fica… e fiiiiiica..

Jà tem até filhinhos.

O menino se chama Desanimo e a menina Apatia.

Ai..ai..

Read Full Post »

bcO que seria de mim se nao fosse a net?

O que seria de mim sem os curiosos olhos que me guardam sem me ver me mantendo a espinha ereta, a mente esperta e o coraçao tranquilo? O que seria de mim sem os amigos-presentes e seus abraços virtuais ou sem os beijos de minha familia via webcam? O que seria de mim sem a força de palavras de esperança nos momentos dificeis?

Além de tudo o que recebo, de todas as baterias que recarrego com as palavras depositadas aqui, meu mundo é ainda mais admiràvel, porque eu posso compartilhà-lo com voce. Pra começar eu nem estaria aqui na Italia se nao fosse um e-mail de meu amado marido Ernesto, na época um ilustre desconhecido, que me achou “por acaso” no Yahoo. Qualquer dia eu conto esse causo que juntou, sonhos iguais e  nacionalidades diferentes. Nada é por acaso, é verdade, mas nem a magia do destino, ou de almas gemeas, sei là, seria possivel sem esse maravilhoso mundo da rede mundial.

Desconheço hoje meio mais dinamico, popular, rico ou democratico. E pela primeira vez na minha vida faço parte de algum tipo de parcela de privilegiados  em absoluto, ou de alguma minoria, se preferir assim. Somos cerca de um bilhao de pessoas no mundo com acesso à internet, mas apesar desse numero parecer grande, ainda restam 80% da populaçao mundial sem acesso a grande rede.

Especialistas estimam que, no primeiro semestre de 2009, metade da populaçao brasileira, ou seja, mais de 90 milhoes de indivíduos, terao de alguma maneira acesso à internet, seja em casa, no trabalho, no celular, seja em locais públicos. A cada ano, a conscientizaçao de que expandir esse acesso é sinonimo de inclusao social, cresce, e muito se tem feito. Mas ainda é pouco.

Todo dia eu rezo e junto com minhas energias positivas emanadas para esse universo, tem o meu desejo e a minha projeçao de que um dia seremos todos um, realmente TODOS-um, com livre acesso à informaçao, à cultura, aos direitos humanos à liberdade de expressao, à saùde e à internet. 

VIVA A MODERNIDADE!

 

bc1

 

 

O tema do texto de hoje foi uma proposta feita pelo blog ESTERANçA da Ester e se voce clicar no selo vai ler mais opinioes sobre o assunto e conhecer mais pessoas que me fazem sentir parte de alguma coisa muito maior do que apenas o meu mundinho.

Read Full Post »

Duvidas?

Em dias de bode, às vezes parece que nada nos consola e entao, de repente  vem uma bençao, uma luz, ou uma alma caridosa que te manda algum e-mail bonitinho, cheio de boas intençoes. Numa dessas, recebo da minha irma, Aninha, um e-mail com uma coleçao de perguntas sinistras, a maioria delas, para mim, sem respostas possiveis, e entao, na tentativa herculea de fazer algo mais contra o mau humor atàvico que tomou conta da minha pessoa, eu lanço aqui um desafio:

Se voce souber responda: (Em verde vem as minhas tentativas de respostas ou outras perguntas pra apimentar ainda mais a coisa toda :-))

*Como se escreve zero em algarismos romanos??? Eu sei que nao existe zero em algarismos romanos, mas porque serà que os caras do mundo do lado de cà nao precisavam escrever zeros, hein? Achei alguma coisa sobre a origem dos zeros nos algarismos arabicos aqui .

* Se depois do banho estamos limpos porque lavamos a toalha??? A minha duvida é serà que saimos mesmo LIMPOS do banho???

* Como é que a gente sabe que a carne de chester é de chester se nunca ninguém viu um chester??? (vc já viu um chester? ) Poisé que invençao doida serà essa desse animal?… Se voce digitar CHESTER no Google-imagens nao aparece NENHUMA imagem do animal vivo! Nem no Youtube! Sinistro, hein? Que MEDA! Aliàs aproveito para um momento  Almanaque da LuLu… Voce sabia que a CANOLA  do oleo de Canola nao existe???!!! E’ uma sigla para “CANadian Oil Low Acid”!

* Se os homens são todos iguais, por que as mulheres escolhem tanto??? TOIN! Toma pra aprender a nao ser generalista!!

* Por que as luas dos outros planetas tem nome, mas a nossa é chamada só de lua??? Taì.. essa eu peço ajuda pros universitarios… da NASA!

* Por que quando a gente liga p/ um número errado nunca dá ocupado??? Ou ainda melhor: porque os pent*…lhos do mundo do telemarketing quando ligam pra nossa casa nunca encontram o telefone ocupado e desistem!!??

* Por que as pessoas apertam o controle remoto com mais força, quando a pilha está fraca??? TOIN! Ai.. essa eu faço também!!… Ai que vergonha, gente! Eu vou tentar nao fazer mais, juro! Sei que é estùpido, mas sei là porque eu faço isso.

* Se a ciência consegue desvendar até os mistérios do DNA, porque ninguém descobriu ainda a fórmula da Coca-Cola??? Olha.. eu DETESTO coca-cola, entao que se dane essa m*…rda de formula, viu? Eu gostava mesmo era daquela propaganda do Guaranà Antartica que mandava bem demais: “Pede pra eles mostrarem a frutinha da coca-cola.. pede?” E’ pior do que o chester!  Hehehehe.. Desculpa aì quem gosta, ta? Mas o troço desentope pia, pessoal! Derrete prego, minha senhora!!! Ahhhh eu avisei que eu tava de mau-humor.

* Se o Pato Donald não usa calças, por que ele amarra uma
toalha na cintura quando sai do banho???
Hehehehe.. Boa. 🙂

Read Full Post »

Eu jà…

Tomei banho de chuva

Voei de helicoptero

Andei de teleferico

Pratiquei rapel

Nadei de bòia no mar

Viajei de navio

Matei barata

Fui madrinha

Patinei no gelo

Comi jacaré

Plantei uma arvore

Subi num vulcao

Fiz boneco de neve

Vi uma raposa selvagem

Read Full Post »

Assunto encerrado.

18/02/2009 – 18h00
Brasileira ferida confessou ter forjado ataque, diz revista suíça 
Folha Online

A brasileira Paula Oliveira, 26, que disse ter sido agredida por três skinheads no último dia 9 em uma estação de metrô nos arredores de Zurique, confessou à polícia local que o ataque foi forjado, afirma a revista semanal “Die Weltwoche”, da Suíça.

De acordo com a reportagem –que não cita qual a fonte das informações–, Paula teria assinado a confissão no último dia 13, quando ainda estava internada no Hospital Universitário de Zurique.

A brasileira Paula Oliveira, 26, diz ter sido atacada por neonazistas nos arredores de Zurique, Suíça; polícia fala em automutilação
A revista diz ainda que Paula confessou à polícia que não estava grávida. Na ocasião da suposta agressão, a brasileira havia dito que estava grávida de gêmeos e que, devido aos ferimentos, sofrera um aborto no banheiro da estação. Entretanto, a polícia de Zurique e o hospital que atendeu Paula negam que a brasileira estivesse grávida no dia em que diz ter sofrido as agressões.

Paula foi internada com uma série de cortes no corpo, alguns deles formando a sigla SVP –iniciais em alemão do partido ultradireitista suíço. Entretanto, a perícia suíça também contesta a origem dos ferimentos e diz que ela própria pode ter se machucado –o que a família nega.

A revista sustenta a tese de que Paula teria inventado a gravidez por motivos financeiros. Segundo a reportagem, na Suíça, vítimas de agressões podem receber entre 50 a 100 mil francos suíços de indenização do governo. O veículo diz ainda que a gravidez serviria apenas como agravante para aumentar a indenização.

Gravidez

De acordo com a reportagem, Paula não mencionou estar grávida ao ser atendida pela primeira vez por um ginecologista do Hospital Universitário de Zurique, onde ficou internada até esta terça-feira (17).

Segundo a revista –que entrevistou o médico ginecologista que teria atendido Paula, mas cuja identidade não foi revelada– ao chegar ao hospital, a brasileira não disse estar grávida. De acordo com o médico, a suposta gravidez só foi mencionada por Paula no segundo atendimento médico.

Em entrevista à Folha Online o promotor Marcel Frei disse que a brasileira pode ficar presa por até três anos ou pagar uma multa, se for considerada culpada pela Justiça suíça de ter induzido a autoridade judiciária ao erro. O Tribunal de Zurique já atribuiu um advogado à defesa da brasileira.

“Indignada”

Paula recebeu alta na noite desta terça-feira (17) da clínica de Zurique, Suíça, onde se recuperava dos ferimentos. Segundo o pai da moça, Paulo Oliveira, sua filha já sabe que a polícia suíça contesta a versão de que estava grávida no dia em que o ataque teria ocorrido e suspeita que ela tenha provocado os ferimentos que atribui a três skinheads. As conclusões da polícia a deixaram “indignada”, contou o pai.

 

Colaborou DAYANNE MIKEVIS, da Folha Online

 

Fiquei profundamente triste quando acreditei que o caso da brasileira na suiça era verdade. Fiquei mais triste ainda quando soube que era mentira. Mas nao por ter publicado alguma coisa, nem por medo do que possam pensar de brasileiras no exterior, mas sim porque a moça demonstrou o que a loucura pode fazer. 

Porque a loucura existe, sim e se manifesta quando somos muito pressionados,  quando somos agredidos, ou quando sofremos além do que podemos suportar, quando estamos isolados, quando somos discriminados, quando somos abandonados, ou quando nao somos devidamente compreendidos,  amados…. 

Quem nunca se sentiu à beira da loucura ou nunca viu alguém que ama passar por isso que atire a primeira pedra. Sò nao se esqueça (me desculpe o chavao, mas cabe) que nao sabemos o dia de amanha. Nao se esqueça também que somos todos um.

Dito isso, nada mais tenho a declarar.

Read Full Post »

Nao sou catolica. Nao sou “carola”, nao sou devota de nada, nem religiao definida eu tenho. Tenho, isso sim, uma fé inabalavel na humanidade, um amor incondicional pelos seres humanos no caminho da luz, do bem, da evoluçao e sou muito sensivel a manifestaçoes publicas de afeto.

Dito isso, confesso que eu me envolvi nos ultimos dias com a festa de Sant’Agata, a padroeira daqui da cidade onde moro, Catania na Sicilia e fiquei, como hà muito tempo nao ficava, completamente emocionada com a coisa toda.  Como toda grande festa tem coisa boa e coisa òtima e coisa ruim. Eu nao gosto, por exemplo, dos exagerados, dos maniacos por religiao, dos exibicionistas de plantao em nome da fe e o que me atinge realmente, como um golpe em cheio no peito, sao as manifestaçoes mais simples, os gestos mais singelos…. E tem também tanta coisa que gira em torno da historia da santa que me fez refletir muito sobre a fé.

Agata tinha quatorze anos de idade e jà tinha uma fe extraordinaria em Cristo e na grande novidade da época de que existia um sò deus. A historia toda da menina aconteceu aqui em Catania, no ano 251 d.C numa época em que a religiao oficial , imposta severamente pelo imperador romano Trajano Decio (249-251d.C), era aquela que adorava varios deuses, venere, mercurio, marte, giove, apollo… Ser “cristao” naqueles tempos de grande perseguiçao e implicancia romana nao somente era considerado um absurdo, quanto era perigoso e contra a lei do imperio. Imagine que nao tinha televisao, nem jornal, nem revista, nem livro direito e a tal historia do Judeu que veio pra salvar a humanidade, toda era repetida de boca em boca. Os ritos que falavam de corpo e sangue de cristo mostravam, pra quem nao entendia direito, a cristantade confundida com uma seita macabra. Imagine! Pois entao, a menininha, filha de pais abastados, vinda de boa familia, que podia ter tudo o que quisesse, inclusive o marido que escolhesse, cheia desse sentimento que nao se explica direito la fede, ou seja a famosa , na época de sua maioridade consagrou-se, ou melhor, decidiu dedicar a sua pureza, sua virgindade, e sua inteira vida a um tal de Cristo que, os boatos na época diziam ser um filho de Deus, ter vivido entre os homens, morrido na cruz a maneira romana usual para eliminar os piores criminosos e que pra completar a loucura avisara ainda que todos deveriam começar a despertar a sua consciencia para a nova realidade: Deus é um, assim como todos nòs.

A jovem, segundo dizem, era linda além do normal do que sao lindas as mocinhas dessa idade. Nos seus vinte e um anos, à época da consagraçao,  foi ardentemente cobiçada pelo governador da cidade – Quinziano que tentou corrompe-la de todas as maneiras. Ela nao deu a menor bola, e continuou no seu caminho, com certa liderança  junto com algumas dezenas de outros jovens e cristaos que se reuniam fora dos muros da cidade, às escondidas, para contar e recontar as lendas de cristo, para meditar, para orar, para catequizar… Ja imagina no que deu, nè? Tirania, orgulho ferido, frustraçao, abuso de poder, cobiça pelos bens da familia da jovenzinha e tanta maldade dentro do tal governadorzinho de merda o fizeram instaurar um processo para encarcerar a jovem lìder em nome da antiga lei dos romanos. Ai! A parte que se segue me faz chorar sempre. O seu martirio, que durou varios dias, Agata passou dentro de uma gelada cela subterranea  sem um quadradinho sequer de ar e luz externos, sem comer, sendo violentamente torturada fisica e moralmente…  Continuamente  foi chamada a depor diante dos juizes, foi interrogada pelo proprio Quinziano que a provocava tentando convence-la a repudiar publicamente seus ideais e a adorar os deuses pagaos no que ela respondia com muita segurança, tranquilidade, e aquela certeza que ninguem consegue explicar senao pela fé. Depois de ter apanhado muito, de ter uma mama arrancada, o corpo queimado com ferro quente e de ser “assada” nua em brasas, morreu na noite do dia 05 de fevereiro de 251.

… 😦

Tem muitas historias assim dos primeiros cristaos. Tem até piores. Tirando o romantismo das historias narradas, e alguns equivocos, a meu ver, meio masoquistas, todos tem um ponto em comum: o de nao haverem renegado aquilo que acreditavam até a morte.

Serà por isso que sao inspiraçao pra tanta gente? 

Serà por isso que sao chamados santos?

Quantos de nòs seriamos capazes de morrer por um ideal… de fé?

* Pra esclarecer: FEDE (italiano) = (portugues)

Read Full Post »

Meme – Pecados e a LuLu

Nao quero me tornar repetitiva por falar de outro meme em tao pouco tempo, mas gosto de falar de mim, o que eu posso fazer? 🙂 O que me justifica, ainda, é o fato de que colocar aqui os meus pecados capitais me forçou a fazer uma pequena pesquisa, coisa que eu adoooro ainda mais do que falar de mim. 

O meme atual foi proposto pela Gisele do blog Eu na Austria.

Primeiro vou falar um pouco de pecado. Pecar vem de “pecare” que significa “errar de alvo”. Pecado designa todas as transgressoes de uma Lei ou de princìpios religiosos, éticos ou normas morais; podem ser em palavras, açoes (por dolo) ou por deixar de fazer o que é certo (por negligencia ou omissao), ou seja, onde há Lei, se manifesta o Pecado. Os pecados capitais sao aqueles considerados os principais, porque através deles se cometem outros pecados menores.

Segundo eu quero explicar o que é cada pecado capital.  Aqui  tem uma parte da explicaçao que a Gi passou e ainda acrescentei mais alguma coisa que pesquisei.

Os sete pecados capitais eram oito, elaborados no inìcio do Cristianismo pelo monge grego Evagrio do Ponto, e definindo as principais inclinaçoes negativas do ser humano (curioso que na lista de Evagrio, o pecado mais grave é a gula…). Todos eles eram capazes de levar-nos ao inferno. Por volta do ano 600, o Papa Gregorio, fez a primeira reforma da lista, incluindo a “inveja”, mas fundindo orgulho e vaidade. No século XVII a lista foi novamente reformada, e a “melancolia” deixou de ser pecado, sendo substituìda por “preguiça”.

Chegamos então à lista que hoje nos serve de base:

1) Gula: representa o desejo insaciàvel do ser humano de ter sempre mais do que jà tem e precisa; na maioria das vezes, as pessoas consideram a gula o pecado de comer excessivamente e mais do que necessita, mas esse pecado também està relacionado ao egoìsmo humano e ao exagero: querer ter sempre mais e mais, nao se contentando com o que jà tem;
2) Avareza: é a cobiça de bens materiais e dinheiro; avareza, no cristianismo,  é sinônimo de ganancia, ou seja, é a vontade exagerada de possuir qualquer coisa; na concepção crista, a avareza é considerada um dos sete pecados mortais, pois o avarento prefere os bens materiais ao convìvio com Deus; neste sentido, o pecado da avareza conduz à idolatria, que significa tratar algo, que nao é Deus, como se fosse deus.
3) Inveja: é o desejo por atributos, posses, status, habilidades de outra pessoa gerando um sentimento tao grande de egocentrismo que renegue as virtudes alheias, somente acentuando os defeitos; a origem latina da palavra inveja é “invidere” que significa “não ver”;
4) Ira: é a junçao dos sentimentos de raiva, ódio, rancor que às vezes é incontrolável; é um sentimento mental e emotivo de conflito com o mundo externo ou consigo mesmo, que controlamos pouco e manejamos pior ainda, deixando-nos fora de nossas açoes;
5) Vaidade: (também chamada de Orgulho ou Soberba) é o desejo de atrair a admiraçao das outras pessoas; é caracterizada pela falta de humildade de uma pessoa, alguém que se acha auto-suficiente; é considerado o mais grave dos pecados capitais; é o amor próprio que vai além dos limites, e que coloca acima do amor de Deus; vai contra o Primeiro Mandamento (Amai a Deus sobre todas as coisas), e foi esta paixao que provocou a rebeliao dos anjos e a queda de Lúcifer;
6) Luxúria: consiste no apego aos prazeres carnais, corrupçao de costumes; sexualidade extrema, lascívia e sensualidade; desejo desordenado pelo prazer sexual; os desejos e atos sao desordenados quando nao se conformam com o propòsito divino, que é propiciar o amor mùtuo entre os esposos e favorecer a procriaçao.
7) Preguiça: aversao a qualquer tipo de trabalho ou esforço físico; caracterizado pela pessoa que vive em estado de falta de capricho, de esmero, de empenho, em negligencia, desleixo, morosidade, lentidao e moleza, de causa organica ou psìquica, que a leva à inatividade acentuada; aversao ao trabalho, frequentemente associada ao ócio, vadiagem; é uma falta de esforço fìsico ou espiritual, que degenera a alma e leva à tristeza e à depressao.

Regras:
– Citar em que voce se enquadra em cada um dos pecados capitais;
– Publicar suas respostas no blog;
– Passar para 8 blogs (acho muito!)
– Avisar e linkar os blogs escolhidos

Foi uma longa reflexao, a que fiz, pra chegar até a publicaçao dos aspectos dos meus pecados, sabe? Loooooonga, esticando bastante pra pronunciar o “O”. Foram alguns dias de auto-reconhecimento, penitencia e vergonha e a conclusao a que cheguei é que de zero a sete eu peco onze e meio, mais ou menos.

Pecados e a LuLu:

1) Gula: Eu quero muito mais do que jà tenho. Quero mais beijos do marido do que jà tenho, quero mais atençao de toda a familia e amigos do que jà tenho, quero mais recadinhos no blog do que jà tenho, quero mais sapatos do que jà tenho, quero mais bolsas (hummmmm)… Eu como, também, bem além das minhas necessidades. Me perco nos cremes, nos paes (com os cremes, inclusive), nos salames, nos queijos, nas castanhas, nas massas, nos bolos. Tem dia que eu acordo sonhando com leite com café, pao, manteiga e geleia de goiaba, tudo junto ao mesmo tempo, agora e muito. Porque serà que eu nao acordo algum dia com uma vontade incontrolàvel de comer verdura, hein?
2) Avareza: Eu cobiço, sim, mas taì um quesito que nao me envergonho porque eu nem consegui imaginar algo forte pra exemplificar aqui. Depois de muito refletir e até de pedir ajuda ao marido Ernesto eu reconheci que sou avarenta com meu espaço fisico, com meus armarios, minhas estantes (veja que é tudo MEU, han?) e quando eu arrumo uma coisa ela deve continuar  exatamente como eu arrumei, senao eu dou um ataque. Ninguem pode tocar. Pegou o aspecto do apego material?
3) Inveja: Ai. Esse doi. Eu invejo. Muito. Invejo a boca, o corpo, a pele, os cabelos, o talento (e até o marido, nè nao? Diz aì! Confessa, vai!) e tudo o mais da Angelina Jouliiiii!!!!! E’ que ando numa fase bastante insatisfeita com meu corpo e, bem verdade, nao estou me “vendo” muito, mesmo. Sorte que estamos no inverno e eu me cubro da cabeça aos pés que nem aquelas mulheres de burca.
4) Ira: Sò esse pecado aqui vale uns tres pontos. Como um veneno que corroi lentamente as minhas entranhas e que cedo ou tarde me portarà a morte… assim é a minha visao da Ira. Meus hormonios me chicoteiam, me cospem na cara, me chutam no estomago e me  jogam quase todo mes  dentro  de um caldeirao fervente cheio deste pecado. E eu, como uma cadela raivosa, com direito à baba e latidos bestiais sucumbo. Uma visao do demo, imaginou?
5) Vaidade: Eu desejo muito obter a atençao, o carinho e também a admiraçao das outras pessoas, admito. Esse blog é o que, por acaso? Fisicamente, como jà disse, nao ando numa fase das melhores, ando com a auto-estima até bem baixa. Me considero inteligente, até acima da média, mas nao me acho auto-suficiente. Agora, sou muito chata com detalhes e quando faço, acredito que faço bem feito e bem melhor do que muita gente que eu conheço.
6) Luxúria: A luxuria e a gula se confundem. A maior diferença seria que a gula é exagerada na quantidade e a luxuria no refinamento e na qualidade. Eu sou exagerada nos dois. Adoro sujeitar a minha lingua a incursoes delicadamente sensoriais pelos caminhos do experimentar e vou longe, bem longe, com paciencia, sem me cansar. No campo dos sentidos sou aquela dos toques sutis, dos sussuros ao pé do ouvido, dos olhares longos carregados de emoçao e da ausencia total de pressa.
7) Preguiça: A mais triste e dura de todas as reflexoes. Essa fase em que me encontro me causou uma duvida daquelas tipo Tostines: Eu acordo sem vontade de fazer qualquer coisa porque estou deprimida ou eu estou deprimida porque acordo e sucumbo a falta de vontade de fazer qualquer coisa?

Eu vou sugerir sò a metade das pessoas que me indicaram, mas voce pode indicar quem voce quiser, ok? Se eu lembrar de mais algume eu coloco aqui. La vai, sugiro essa reflexao que propoe o meme para:
Pra Gente Ser Feliz
Blog da Re
Manga Com Pimenta
Noticias da Bota

Fontes de pesquisa: Guerreiro da Luz, Wikipedia, Alunos Online, Natureba.

Read Full Post »

Comemoram-se hoje 64 anos da libertaçao do campo de concentraçao de Auschwitz-Birkenau e para que as vítimas nao sejam esquecidas, a Organizaçao das Naçoes Unidas determinou que este, passaria a ser o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

Hoje, entao, em toda a Italia foi um dia dedicado à memoria dos milhoes de judeus exterminados durante a Segunda Guerra Mundial. Manifestaçoes publicas, filmes, documentarios e uma profusao de debates nao deixaram passar em branco esse periodo verdadeiramente memoràvel. A idéia principal é nao esquecer o horror que foi aquilo tudo e nao permitir, com o possivel esquecimento, que qualquer coisa semelhante possa acontecer novamente na historia da humanidade.

A mim, no fundo, muito além das imagens de seres humanos em agonia extrema e dos numeros que conhecemos, mais de 6 milhoes assassinados, o que mais marcou foram os numeros estatisticos que mostram que, atualmente, 12 em cada 100 italianos se declaram abertamente antissemitas e 25 em cada 100 italianos sao antipatizantes de judeus. 😦

Nao sei os numeros de outros paìses, mas a questao nao é essa. Ainda que fosse UMA unica pessoa no mundo a declarar essa sandice, e olha que digo isso observando piamente o exercicio de respeito pela divergencia de idéias que tento praticar na minha vida, me sinto muito mal, quase doente com essa història, como se esse sentimento que nasce na alma de um ser e que o faz julgar-se tao diferente ou melhor do que outros seres a ponto de desejar eliminà-los, fosse como um virus a contaminar a saude da unidade a qual fazemos parte.

Somos um.

Nesse dia da memoria… e todos os outros também… nao se esqueça disso.

Read Full Post »

Intrépida

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.

– Fernando Pessoa –

 

Read Full Post »

A regra manda tirar a decoraçao de Natal no Dia de Reis, ou seja, ontem, mas como eu sou uma menina rebelde, ja deve ter dado pra notar, eu nao tirei. Nao tirei e nem vou tirar agora e pronto. Tiro quando eu quiser, oras!

Nao entendo nada direito desse tema festivo de fim de ano, e assumo, mas como é que eu posso entender um evento que começa com uma menininha do oriente médio (provavelmente da Faixa de Gaza, hein?), adolescente e virgem que engravida depois da visita de um tal “anjo” (humm, sei), que quase é apedrejada pela mentira de dizer que ainda continuava virgem  apesar do barrigao e por isso é obrigada a casar com um homem décadas mais velho pra nao ser julgada uma vadia? Nao bastasse esse começo tragico e muito mal contado, ela e o marido tem que fugir às pressas de um rei maluco que os perseguia e ameaçava matar, viajando num lombo de burro, ela coitadinha, gravida de 9 meses, acabando por parir no meio de, sabe-se là onde, vacas, ovelhas e cabras.

Desde que a criança nasce eles nao tem mais privacidade com tanta gente, pastores e curiosos que vieram visitar o remelentinho. Teve até a chegada antologica de 3 reis que viajaram meio mundo no oriente pra encontra-los seguindo uma estranha estrela, um cometa, um rabo de foguete ou um alinhamento de planetas, nao se sabe ao certo, e ao invés de plano de saùde, remédios, comida e roupinhas tamanho PP, pro recem-nascido trazem de presente mirra (que ninguém sabe direito o que é), incenso e, ainda và là, ouro.

Pra història ficar logo bem bizzara, tem uma espécie de padrinho, um velhinho de barbas brancas, que deve ser tarado, pois coloca qualquer criancinha que ele ve pela frente no colo e elas ainda o chamam de “papai”. Coroando a bizzarice com chave de ouro ainda tem arvores com bolas penduradas (serà que é um simbolo fàlico do velhinho pedòfilo?) e  personagens da terra do nunca: anoes ou duendes ajudantes do velhinho sacana, mulheres vestidas com minisaias sensuais e gorrinhos vermelhos, veados que voam e, do lado de cà das Zoropa, tem também uma tal de Befana, ou Epifania, uma bruxa que, supostamente, enche uma meia de balinhas (nunca comam balinhas de estranhos, crianças!) para presentear as crianças, justamente no Dia de Reis, mas sò se elas forem boazinhas, porque do contràrio ela enche as meinhas é de carvao!

Olha sò quanta doidice! E tem gente que ainda nao entende porque é que eu sou rebelde!

Read Full Post »

Tem coisa que a gente nao aprende por pura preguiça ou porque nao prestou atençao direito. Tem coisa que jà começa a fazer parte do DNA e nao precisa mais nem pensar pra fazer. Tem coisas que enriquecem, aprimoram, tem outras que ferem, marcam feio, entristecem, mas aprender ainda é o mais importante.

Aprendi, por exemplo, que começar é apenas o primeiro passo e nao nos garante nada durante a caminhada. Devemos nos manter atentos, muito atentos, aos minimos detalhes, a nòs mesmos, aos outros e além. E, seja com frio, sol à pino, chuva, granizo, vento, neve, sombra e agua fresca caminhar em boa compania é muito mais prazeiroso.

Jà aprendi a me comunicar muito bem na lingua italiana, leio perfeitamente,  falo bem, ainda que com um sotaque inconfundivel, começo a me atrever a escrever algumas coisinhas e tenho me saìdo razoavelmente bem. Com a nova reforma ortografica brasileira parece que estou desaprendendo é o portugues.

Aprendi que a primeira vez a gente nunca esquece… se for muito boa ou se for muito ruim, porque se for mais ou menos a gente esquece sim.

O mundo inteiro tem problemas sociais, problemas economicos, preconceito,  ignorancia, gente doida e todo tipo de dificuldades. Somente  distante do meu paìs é que aprendi o significado das palavras naturalidade, nacionalidade  e cidadania.

Concordo plenamente que “escrava-remunerada”, ou empregada-doméstica, seja uma profissao que deva ser, no minimo, muito valorizada e revista com muito cuidado, pois aprendi que o serviço de casa é indigno, como bem definiu uma amiga-amada. Considero limpar, lavar e arrumar chato, banal, cruel, cansativo, nojento, repetitivo e  nada recompensante. O pior é passar roupa.. affff-maria… que sacooo!!! Cozinhar, é a unica coisa que compensa.

Aprendi a comer pasta ou pao todo dia, a comer queijo todo dia e a tomar vinho quase todo dia. Na hora de falar o meu peso depois das festas de final de ano eu olho pro lado, assovio e mudo de assunto, ok?

Aprendi que o prazer de comer depende muito do meu estado de espirito. O gosto que tem um sorvete de pistacchio que eu tomei sentada na Piazza de Spagna em Roma, no dia do meu aniversàrio, em companhia de minha mae-D.Conceiçona e do marido-Ernesto, por exemplo, nao é o mesmo do  sorvete de pistacchio que eu tomo aqui na pracinha em  Trecastagni  na Sicilia, em frente ao cinema, numa terça-feira qualquer depois de assistir o filme da semana com o marido-Ernesto, ainda que sorvete de pistacchio  seja  bom de todo jeito e o sorvete italiano seja o melhor do mundo!

Saudade era uma coisa que eu jà sabia, mas aprendi a conviver diariamente com ela, tal e qual um calo, daqueles beeeemmm antigos, que incomodam e apertam, mas a gente dà uma lixadinha pra ajeitar, ou muda de sapato pra afrouxar e sai pra rua assim mesmo.

Read Full Post »

A felicidade sò é verdadeira quando compartilhada.

– Christopher McCandless –

Independente da minha mania de nao fazer balanços, nem resoluçoes pessoais nessa época somente por ser o “fim” do ano do calendario Gregoriano, quero aproveitar o clima de recomeço para homenagear a voce que me acompanha, que me le periodicamente ou que caiu aqui por acaso. Estou me referindo a voce que me conhece intimamente,  pessoalmente, de  passagem, ou somente virtualmente, enfim, voce que està lendo agora.

Desejo a voce o melhor que se possa desejar: uma vida plena de luz. Uma vida plena, com emoçao, descobertas, novidades, mas também com paz, tranquilidade e quietude. Espero que voce tenha oportunidades ricas para tentar o que quer que seja, ousar, quem sabe se machucar, quem sabe triunfar  e seguir adiante. Te desejo força pra superar, suportar, refletir, discernir e dialogar. Estarei aqui pra te ouvir, se precisar… mesmo que eu pareça distante fisicamente… 

Quero que voce saiba que valorizo muito a sua presença na minha vida. Do fundo do meu ser sinto que nossos laços tem um nò bonito e apertado, feito com fita laranja bem alegre e, sendo assim, desejo que sejam eternos. 

Com amor.

LuLu.

LuLu

Read Full Post »

FELIZ MUNDO NOVO!

Eu nao sou muito de balanço pessoal de fim de ano, sabe? Essa famosa avaliaçao do ano que passou, o que se realiza e o que se deixa de realizar, me acomete à época do meu aniversàrio, quando, aì sim, eu repenso os meus projetos pessoais e guardo o horizonte dos meus planos privados com os olhos da experiencia que vivi, tomo um folego e continuo a tocar o barco.

Esse tal “fim de ano”, fabricado forçadamente pelo calendario Gregoriano tem pouco efeito sobre mim. Tirando os fogos de artificio, que eu adoooro!! Hehehehe. Falando sério, nao vejo muito sentido em contar o ano, assim como determinaram, sem um referencial forte ligado a qualquer transformaçao, entende? Sem, por exemplo, um solsticio, sem um alinhamento planetario, sem alguma representatividade energetica, sem uma conexao com algo maior. Essas festas simbolicas, repetidas mecanicamente e comercialmente  me soam falsas, incompletas e vazias. Tenho a sensaçao de que algo se perdeu das antigas tradiçoes, e era algo da qual eu fazia parte.

Bom, na pratica eu repenso meu papel nesse mundo quase todos os dias. Sério, sem exagero. Tenho permanentemente uma sensaçao intima, latente, de fazer parte de algo muito além do pequeno nucleo onde estou vivendo fisicamente e reflito muito mais sobre o que eu possa melhorar no grande universo do que sobre coisas paupaveis.

Hà alguns anos venho seguindo algo que posso chamar de minha luz interior e é essa luz que me inspira, me impulsiona e guia o meu caminho. Mesmo tendo que comer, dormir e viver como uma mortal da face da terra eu sinto que preciso também manter essa luzinha acesa, viva, forte e pra isso procuro meditar, refletir, estudar, acentuar os meus valores e ainda manter a conexao dessa luz com a luz das outras pessoas. As luzinhas todas juntas, caminhando juntas, conscientes, evoluindo, crescendo, aprendendo, com os mesmo propositos do amor, da generosidade, da coletividade, do respeito, formam uma unidade. Essa unidade que jà é, ou seja, jà existe, somos nòs, todos os seres conscientes do universo. Essa unidade é agregadora, motivadora por si sò. Essa unidade é tranquilizadora,  protetora e definitiva. Fazendo parte dessa rede de luz sò nos cabe guardar a direçao e caminhar sempre avante. E é nisso que eu tenho pensado durante o ano todo, todos os dias, serena, segura e determinada. Unidade, entao.

Feliz mundo novo pra todos nòs!

Read Full Post »

Natal

O Natal da familia vai ser aqui em casa. Estou meio sumida porque ando bem envolvida com os preparativos. Felizzzzz que nem pinto no lixo, sabe? Hehehehe 🙂 Acho que agora a coisa pegou no tranco. To mais motivada, mas nao estou neurotica, nem controladora maluca, nao. To bem. O dia vai chegando perto, passamos algum tempo comprando coisas pra ceia e a empolgaçao e a loucura do comércio torna dificil nao se contagiar. Todo mundo na rua correndo muito e se cumprimentando: AUGURI!

Me lembrou uma época, dos meus 15 aos meus 20 anos quando eu participava ativamente de um grupo de jovens da igreja catolica chamado SEGUE-ME. O nome nao é nenhuma alusao a algum filme de perseguiçao obsessiva (hehehehe), mas sim a uma frase, supostamente dita por jesus, de um dialogo narrado na Biblia (Mateus 19:21; Marcos 10:21; Lucas 18:22) onde um jovem rico se apresenta ao mestre dizendo que sempre havia seguido os mandamentos de Deus e queria saber se era suficiente ou se tinha mais alguma coisa que ele pudesse fazer e jesus arremata lhe aconselhando:  “-Vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.” … A filosofia proposta é belissima, oportuna e atualissima em tempos de crise nesse mundo em que vivemos. Tem também uma mensagem que cabe direitinho no periodo de Natal nos convidando a voltarmos nossos olhos para outros valores que nao os da riqueza material e ajudarmos os pobres, os solitàrios, os doentes, os desesperados, enfim, aqueles os quais esquecemos a maior parte do ano. Bom, coloco aqui pra reflexao a idéia de exercitar a generosidade, de desapego, mas nao é sobre isso que quero falar hoje.

O que me fez fazer toda essa apresentaçao inicial sobre o movimento de jovens da qual fiz parte foi a lembrança de uma turma de amigos, que se formou trabalhando pelo encontro juntos na equipe do canto, e que de uma maneira jocosa e muito especial saia por todos os cantos da cidade, em qualquer época do ano, cumprimentando as pessoas com um alegre FELIZ NATAAAAL! Era uma delicia! Todo mundo se contagiava, mesmo sem entender direito. A idéia começou porque refletimos que o nascer simbòlico, a renovaçao, a energia de começar, ou seja o “nosso” natal deveria acontecer todo dia e nao somente nessa época, agora em dezembro. Esse ano de 2008 foi assim pra mim, repleto de novidades todos os santos dias e… entao, que assim seja, sempre. Desejo a todos nòs que saibamos trazer a cada dia uma energia nova pra nossas vidas, cheia de motivaçao, de descobertas, de aprendizados… Desejo a todos nòs um ano novo repleto de natais.

FELIZ   NATAAAAAAAL!!!!!

Read Full Post »

Aiiii..

Que saudade!

Read Full Post »

 coisasdobrasil2-1

Em minha primeira participaçao numa blogagem coletiva* tinha que ser esse o tema, claro. Porque eu falo quase todo dia do mundo novo, a Itàlia, essa terra admiràvel que me recebe com muito amor, mantenho a patota atualizada com os temas da ilha do lado de cà do oceano mas, meu coraçao, quando bate, bate mesmo é pelo meu paìs. E é com lagrimas nos olhos, taquicardia, as maos tremulas, frias e suadas, que vou abrir a caixa da emoçao pra registrar aqui o que refletem as minhas pupilas dilatadas quando se fala de Brasil: Brasilia.

A primeira coisa, entao: ordem. Pra quem quiser entender um pouquinho, aviso: tudo por là é dividido em setor. Isso mesmo, tem setor de tudo o que se tem numa cidade. Tudo. Setor de hoteis, de motéis, de hospitais, setor comercial, setor residencial, setor de autarquias, de industrias, de diversoes… Tudo. Aprendi logo cedo no hospital Santa Luzia, e logico, no setor hospitalar, que fica pertinho da avenida W3. Foi num dia de cidade esvaziada, como acontece às  vésperas de Dia da Independencia, numa sexta-feira, quinto dia de setembro, em 1969. Foi feriado em nossa casa. Como tudo na cidade, organizada, nasci Maria Luiza. 

Organizaçao, sim, é a primeira palavra que ela nos traz, e também muita luz e muito verde, como bem percebeu o marido Ernesto em sua primeira visita à capital do Brasil. Muito mais do que uma “maquete”, c0mo é sarcasticamente  citada pelos superficiais, e muito além de seu plano  horizonte,  minha cidade natal representa o meu centro. . . O eixo.

O eixo central divide as asas, numa cruz-aviao. Norte-sul, Leste-Oeste, ou West, formando os tais setores, alguns constituidos de predios residenciais: as quadras. Na infancia aprendi o que era uma quadra, e nao bairro. E quadra é pra mim sinonimo de mini-mundo, de liberdade, de alegria, espaços abertos, muitas crianças, poeira vermelha e parquinho de areia. Vivemos até os meus 3 primeiros anos num predinho de 3 andares na quadra 416 no final da asa sul. Daqueles do projeto original de JK. A nossa era uma das poucas quadras completas, mas ainda cheia de vaos livres, o que deixava minha mae apreensiva, as vezes, e a me recomendar sempre para andar em grupos. Em Brasilia teve um sequestro de criança famoso. Nem tudo sao flores.

Falando em flores, devagarzinho ao longo de seus 40 e poucos anos a poeira vermelha do cerrado foi mudando e dando lugar a arvores frondosas e sempre verdes, jà imaginadas no projeto original. Junto com arvores nativas, pequiseiros, jatobàs, jameleiros, mangueiras, estao os meus preferidos, os sazonais e alegres Ipes que enfeitam Brasilia a cada estaçao com cores fortes e vibrantes. Tem um em especial, amarelo, que simboliza pra mim a vista da janela de nosso apartamento na 210 sul.  O dia-a-dia sempre foi rico também em belezas naturais. Furia de ventos, raios, relampagos e trovoes, granizo e neblina.  Beleza rara e comum, principalmente  em dias de chuva e arco-iris. Paisagem digna de arrepios de tao linda.

A minha cidade me impulsionou desde cedo a caminhar sozinha, a fazer escolhas responsaveis, a estudar muito, a decidir com segurança, a conviver com as diferenças… Minha cidade segrega, infelizmente, mas colore muito mais suas ruas com gente de todo o paìs e do mundo, assim como os Ipes o fazem. Minha cidade tem o menor indice de acidentes no transito, é exemplo no respeito à faixa de pedestres é o segundo maior PIB do Brasil, mas tem sujeira além da beleza, tem coragem e medo, violencia e paz, tem polìticos, politica e corrupçao, tem distinçao social, racismo e miscigenaçao,  tem pobreza, tem riqueza…  Minha cidade tem liberdade de fé, tem misticismo, tem cientologia, arquitetura e engenharia ousadas, tecnologia de ponta, modernidade, tem respeito e diversidade… tem a promessa de ideais de muitos …  tem Brasil.

Minha cidade, acima de tudo, tem potencial pra crescer e virar gente grande.  Eu nasci e cresci là. Um dia, alcei voo, segura em suas asas, e vim parar bem longe em busca dos sonhos acalentados naquela infancia feliz vivida ali . Mesmo distante ouço sua voz me lembrando que somos todos unicos, originais e em constante evoluçao e que devo fazer a minha parte pra construir um mundo melhor. Mesmo distante ela nao pàra de me ensinar. A ultima coisa, enfim: progresso.

*Iniciativa de blogagem coletiva da Andréa Motta do blog Leio o mundo assim.

Read Full Post »

Resmungando

To com agonia do Natal. Isso mesmo, agonia. Nao sei se explico, se me justifico, ou se me desculpo, mas a verdade é que eu queria pular essa parte toda e, assim, como num transe voltar a mim somente làààà na época do verao de 2009, abrir os olhos numa praia, com sol, calorzinho gostoso, pouca roupa e nada de penduricalhos e festas no horizonte.

O marido Ernesto é que nao deixa eu ficar de fora. Ele parece um menino de tao animado, mas eu acho tudo brega. Juro. Luzes, cores, enfeites, musiquinhas…  Até porque a imagem que eu tenho para o que simboliza o Natal, o tal espirito natalino, espirito mesmo aqui, ou até no Brasil, na maioria das vezes sò vejo o comercial.

O que me consola é que eu vou ver neve!!!!! E aì, sim… ai..ai (suspiro)… Quando penso na neve, meus olhos brilham feito estrela de Belem anunciando a chegada do menino Jesus.

Read Full Post »

Com a consciencia de que nuvens, vulcoes, cristais, sementes, flores, arvores, leoes, gatos, passaros, borboletas, peixes, tartarugas, baleias, insetos e… humanos…  somos todos um.

Com a visao de que a luz que temos em nòs se reverbera, se multiplica, se transforma, se movimenta e chega a todas as partes desse universo.

Te agradeço por fazer parte da minha vida. Te agradeço por voce ser a prova viva da unidade em nòs. Te agradeço por sua força e sua doçura. Te agradeço por sua compreensao e generosidade, por seu exemplo e sua humildade em receber a minha experiencia humana. Te agradeço por suas palavras e seu silencio afetuosos. Te agradeço por sua responsabilidade e sua ousadia corajosas. Te agradeço por voce vir aqui me ler. Te agradeço por seu ser. Porque é. Somos. Grazie.

Reafirmando o quanto voce é importante pra mim.

Receba o meu abraço.

Pra voce.

Amor.

LuLu.

abraço_flor

Read Full Post »

Pra bom entendedor…

“Uma senhora idosa parada ao lado da rua, está confusa e hesitante com a tentativa de fazer a travessia diante de um tráfego intenso.
Temerosa, ela não conseguia sair do lugar.
Finalmente apareceu um cavalheiro que, tocando-a, perguntou se poderia atravessar a rua com ela. Alegre e muito agradecida, a senhora tomou seu braço e juntos partiram em direção ao lado oposto.
Foi então que ela começou a ficar mais apavorada ao ver que o cavalheiro zigue- zagueava pelo meio da rua enquanto buzinas soavam e freios eram acionados com motoristas dizendo palavras ofensivas.
Quando finalmente chegaram ao outro lado, ela, furiosa, lhe disse:
– “Você quase nos matou. Você caminha como se fosse cego!”
– “Mas eu sou! Foi por isso que lhe perguntei se poderia atravessar junto com a senhora.”

“Comunicação não é o que a gente fala, mas sim, o que o outro entende”.

Isto me faz refletir…

Eu costumo dizer que, pra mim, nessa existencia humana, o maior aprendizado do bicho-homem é exatamente o que nos distingue dos outros bichos: a comunicaçao verbal. O ser humano se acha o màààximo, o supra-sumo, o manda-chuva do reino animal, a nata do leite, o fino do fino… Mas serà que realmente somos tao eficientes em utilizar esse dom especial? Nao seria, no minimo, humildade tentarmos nos esforçar para realmente nos comunicarmos ao invés de somente utilizarmos palavras? Quantas vezes nessa vida nao nos fazemos claros e somos mal entendidos? Quantas vezes achamos que com a famosa “meia palavra” jà seremos plenamente compreendidos? 

Apenas mais uma pergunta: preciso dizer mais alguma coisa?

Read Full Post »

Paradoxo

Frase da semana:

Ninguém deve ser elogiado pela sua bondade quando não tem forças para ser mau.

– François La Rochefoucauld –
 

Escrito por LuLu  em 11 de abril de 2006 às 18:09

 

 

Read Full Post »

Gira, mundo, gira!

Certa vez eu assisti a uma palestra, num curso que fiz em Sao Paulo, cujo tema central era a aceleraçao que a tecnologia traz para a nossa vida. Dois pontos interessantes foram mostrados: no primeiro o palestrante nos mostrou uma especie de “relogio”, um circulo com a linhas de tempo radiais onde estavam assinaladas as invençoes da humanidade desde a descoberta do fogo, a invençao da roda… até as micro tecnologias de computador e afins dos dias de hoje. O esquema nitidamente mostrava que no inicio a humanidade dava grandes saltos com intervalos de séculos entre eles, e a cada invençao criada a humanidade se aprimorava ainda mais e criava novas coisas facilitadas pela criaçao anterior e com maior frequencia, a cada dois séculos, depois a cada 100 anos, depois a cada 50 anos ocorria uma invençao, 30 anos, no século 17 a cada 10 anos, até chegarmos ao século 20 (isso aconteceu hà uns13 anos atràs, portanto século 20, certo?)onde a cada hora ou minuto, talvez, algo novo era inventado no mundo. Incrivel, nao?

Complementando essa apresentaçao ele colocou num quadro cinco ou seis frases que deveriam ser situadas no tempo pelos participantes. Eram frases que faziam comparaçoes, que traziam impressoes sobre geraçoes passadas e futuras. Uma delas permaneceu na minha memòria: ” Os jovens de hoje se comportam de maneira mais agressiva, nao respeitam os limites, nao valorizam as tradiçoes, nao demonstram respeito pelos mais velhos, usam roupas inadequadas e cabelos rebeldes.“… Era mais ou menos assim e a turma começou as apostas. Uns disseram que teria sido dita na década de 40, outros na década de 20, outros mais ousados no século 19… Quando todos jà haviam arriscado bastante o palestrante revela: tinha sido proferida no Egito, por um filosofo, que nao me lembro qual, antes de Cristo! Ficamos todos pasmos…

Como podemos nos comportar de maneira tao igual somos tao iguais, num sentido dificil, quero dizer, nao é verdade? Nao percebemos, mas este comportamente generalizado existe somos, e nos comportamos da mesma maneira hà séculos!! Alguns acham Estamos sempre achando que os “nossos jovens” sao piores do que os do passado. Envelhecemos e começamos a se nos tornar intolerantes, impacientes, ranzinzas.. e isso acontece em toda a humanidade. Nao é de hoje que os jovens sao transgressores, é de sempre, oras! Transgredir é o que rejuvenesce e ponto. A experiencia é benéfica, mas talvez traga para uns consigo o cansaço, uma certa frieza e a tendencia a acomodaçao. Esses, envelhecem Envelhecemos. Vao Vamos morrendo aos poucos, vao vamos abandonando o leme, as rédeas, a direçao e passamos a nao conduzir mais nada, apenas a observar a paisagem. Soa triste, eu sei. Desejo intensamente refletir no universo uma realidade original, em unidade com o cosmos, cheia de luz, forte e impulsionadora para o alto e além. Desejo manter em meu ser sempre acesa a chama da curiosidade aumentando o calor da alma. Desejo ser.

Indo mais fundo reflito o quao importante é estar desperta o màximo possivel, me refiro à nivel de consciencia. Estudar, refletir e nao aceitar o que os outros dizem apenas porque a maioria assim o faz é o que nos mantem vivos. Vigiai.

 

PS.: Depois de um comentàrio de uma amiga-flor, reescrevi algumas partes do texto, impessoalizando as partes que trariam uma generalizaçao, da qual, nao quero fazer e nao faço parte.

Read Full Post »

Devo, nao nego.

Entre o passado, onde estão nossas recordações,

entre o futuro, onde estão nossas esperanças,

fica o presente, onde está o nosso dever.
– Sueli Pioli –

Read Full Post »

Hoje é sábado

Hoje é sábado, amanhã é domingo
A vida vem em ondas, como o mar
Os bondes andam em cima dos trilhos
E Nosso Senhor Jesus Cristo morreu na cruz para nos salvar.

Hoje é sábado, amanhã é domingo
Não há nada como o tempo para passar
Foi muita bondade de Nosso Senhor Jesus Cristo
Mas por via das dúvidas livrai-nos meu Deus de todo mal.

Hoje é sábado, amanhã é domingo
Amanhã não gosta de ver ninguém bem
Hoje é que é o dia do presente
O dia é sábado.

Impossível fugir a essa dura realidade
Neste momento todos os bares estão repletos de homens vazios
Todos os namorados estão de mãos entrelaçadas
Todos os maridos estão funcionando regularmente
Todas as mulheres estão atentas
Porque hoje é sábado.

 

Trechos de “O dia da criação” de Vinicius de Moraes

Macho e fêmea os criou.
Gênese, 1, 27

Read Full Post »

Escolhas

Frase da semana:

“Escolher é excluir.”

– Henri Bergson –

Escrito por LuLu em 16 de Dezembro de 2006 às 16:42

 

Quando escolhemos deixamos necessariamente algo pra tràs. No mìnimo perdemos o outro caminho, mesmo quando a escolha nao é entre duas coisas, isso ou aquilo, direita ou esquerda, mas sim sobre sim ou nao, fica sempre um espaço vazio. O vazio deixado pelo que nao foi, mas que poderia vir a ser preenchido com algo e de que nao temos mais controle. No fundo é o tal do controle que incomoda, ou a ausencia dele. Escolher é aceitar o descontrole, é deixar o carrossel girar, é abrir espaço pro desconhecido.

Pensando bem, escolher é…deixar fluir.

Read Full Post »

Eu evito…

Andar descalça no frio.

Beber leite todo dia.

Ver filme sem final feliz.

Falar com gente que nao olha nos olhos.

Comer comida pesada à noite.

Usar a mesma cor dos pés à cabeça.

Escrever sobre sofrimento.

Read Full Post »

Unidade

Se eu fosse um animal… formiga

Se eu fosse um brinquedo… gangorra

Se eu fosse um movimento… espiral

Se eu fosse uma direçao… vertical

Se eu fosse um sentido… de baixo pra cima

Se eu fosse uma cor… preto azulado

Se eu fosse um sabor… acido

Se eu fosse um mineral… ametista

Se eu fosse um orgao… pele

Se eu fosse um vegetal… jilò

Se eu fosse um elemento… fogo

Se eu fosse um planeta… Terra

Se eu fosse um dia… hoje

Se eu fosse alguém… eu sou

Read Full Post »

Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens.

Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse sempre a novidade que é escrever, eu me morreria simbolicamente todos os dias.

Aliás – descubro eu agora – eu também não faço a menor falta, e até o que escrevo um outro escreveria.

Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas continuarei a escrever.

Trechos de “A hora da Estrela” de Clarice Lispector

Read Full Post »

Acorda!!

Me meti na maior fria da paroquia quando resolvi expor aqui, publicamente, a minha condiçao de gordinha em reeducaçao… Aì.. me ferrei.. ou nao, pois agora me sinto pressionada quando nao emagreço. E é exatamente o mal que me aflige nesse momento. Estacionei em 76,500kg e nao emagreço e nem engordo. Como diz o ditado chulo: nao cago e nem desocupo a moita. Tà, voce vai me dizer que eu ao menos nao engordo. Verdade, mas quem disse que isso me consola?

No meio do fogo cruzado da busca de idéias para me ajudar no meu intento, caio num site de auto-ajuda falando sobre dietas. O que me chamou a atençao foi ler a seguinte frase: “Se você quer realmente emagrecer, a primeira coisa que voce tem que fazer é deixar de ser covarde”. Curto e grosso. Pà-pou! Ripa na chulipa. Simples assim. Ui.

Fazer dieta é quase um sinonimo da condiçao feminina. Quase toda mulher que eu conheço trava em algum momento da existencia alguma briga com a balança: ou estao sempre de dieta, ou fugindo secretamente dela em ataques ocasionais à geladeira, ou se atormentando porque deveriam comer mais salada, verdura… Enfim… E eu, que fui magra a maior parte do que me reconheço agora ando com essa neura com peso que tem me proporcionado emocionantes aventuras no mundo insosso das comidas dietéticas, lights e afins.

Tipo, se eu quero emagrecer, o negócio é fechar a boca, comer mais salada, cortar doces e massas, e fazer exercícios. Sem conversinha fiada, sem choro e ranger de dentes! Nao tem mistério nem segredo. Nao preciso sequer ir ao nutricionista nem a um professor para saber isso. O màximo que existe sao tratamentos que aceleram o processo. E olhe là a que preço! A fòrmula real de todo e qualquer objetivo é: disciplina e sacrifício.

Aì é que entra a sabotagem que rola na minha mente… Que eu nao consigo fechar a boca, nao consigo comer salada todo dia porque fica muito cansativo, nao gosto de fazer exercicio com peso, nao gosto de suar, nao gosto disso, nao gosto daquilo, ah sò mais um pedacinho nao vai fazer nada… E to eu aqui parada, sedentària, esperando um remédio milagroso que me faça emagrecer sem muito sacrifício. Pior é que nem espero isso, eu sei que nao existe. Por isso que eu gostei da frase. Porque, na lata, disse a verdade. Me disse que estou me comportando de maneira covarde pra enfrentar os sacrifìcios necessàrios para atingir aquilo que desejo. E que, se eu quero mesmo alguma coisa, mas quero de verdade, eu sei – e voce também sabe – o que é preciso para conseguir. 

Bom, espero que eu acorde.

Read Full Post »

Mudanças

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades…

– Luis de Camões –

 

 

Read Full Post »

Confiança

Hoje teve terapia e nem foi tao terrivel como as duas ultimas vezes. Mexe, claro, mas nao me cansei tanto emocionalmente. Sempre falamos de coisas importantes, de sentimentos, papo forte… mas o mais importante é que acho que estou aprendendo a me expressar em italiano. Pouco a pouco também percebo que vou me soltando mais, me comunicando mais, e também vou confiando mais…

Falando em confiar, tem algumas frases que andam ressoando forte dentro da minha cabeça e quero refletir sobre elas.

– A confiança requer tempo para ser construída.

– A confiança é uma avenida de duas maos.

– Leva-se muito tempo para ganhar confiança e somente um segundo para perde-la.

– A confiança tem limites.

– Tenha sempre confiança, mas faça contratos por escrito.

Vou colocà-las aqui e quem quiser comentar alguma coisa relacionada a elas deixe um recadinho ou me escreva um e-mail, se preferir. Me ajudaria bastante ouvir algumas idéias. Fale de sua propria experiencia, boa ou nao em relaçao a confiança. Se quiser pode ainda propor outras reflexoes. Fique à vontade. Depois que eu formular melhor o que penso volto pra escrever, ok?

Beijo.Ciao.

Read Full Post »

Consciencia Maia

Dentre os meus esforços para uma elevaçao da consciencia inclui o estudo sobre a civilizaçao Maia. Esses seres que dedicaram toda a sua vida a estudar e registrar a galaxia, viveram sem fronteiras, sem limites nem propriedades, somente em busca do bem comum. A maioria do povo Maia desapareceu sem deixar rastros, abrupta e misteriosamente no ano 830 d.C., de uma maneira ainda nao explicada cientificamente. Abandonaram tudo, casas, templos, cidades inteiras, intactas, sem vestigios de guerras ou conflitos que pouco a pouco foram sendo devoradas pela selva que as rodeia. Muitos seculos depois com as investigaçoes dos vestigios deixados por eles, dos numeros e dados entalhados em seus muros, seu exato calendario, suas construçoes e registros artisticos a nossa civilizaçao vai descobrindo quao avançadas eras suas tecnologias e seus conhecimentos acerca do universo. Seu calendàrio, um de seus legados mais interessantes é formado por 13 períodos anuais, os quais, ao invés de meses, sao chamados de luas, e todos eles tem 28 dias cada um, que segundo muitos cientistas afirmam é o ciclo biològico natural. Um grande exemplo de ciclo biologico natural é o ciclo menstrual da mulher, que dura 28 dias. Este calendário respeita isso. Com todo o seu conhecimento e observaçao da galaxia os Maias, jà naquela época, podiam identificar os ciclos de planetas e estrelas visiveis da Terra e com essas informaçoes estabeleceram padroes de ritmos que, segundo eles se repetiam em todo o universo. O ano Maia inicia-se quando o Sol nasce com a estrela Sirius. Este dia corresponde ao dia 26 de julho no corrente calendàrio gregoriano. Por curiosidade fui ver o mes que estamos e chama-se Lua Auto-Existente da Coruja, que vai de 18/10 a 14/11 do calendário gregoriano. Doido, nè?

Para os Maias cada um dos 7 dias da semana é dotado com um tipo de energia, sinalizada por um sìmbolo, chamado plasma radial, e uma cor . A explicaçao para esses plasmas eu achei complicadissima e ainda devo estudar muito pra entender tudo. Tem a ver com a linha magnetica da Terra, com os chacras… Enfim,  o que posso sintetizar aqui é:

DALI (1º DIA – chacra da coroa) – Dali (amarelo) é uma força térmica que atrai e unifica.

SELI (2º DIA – chacra da raiz) – Seli (vermelho) uma força luminosa que flui

GAMA (3º DIA – chacra do 3º olho) – Gama (branco) uma força térmica-luminosa que pacifica a unidade entre calor e luz

KALI (4º DIA – chacra sexual ou sacro) – Kali (azul) é o agente catalisador que altera a funçao sensorial dos tres primeiros plasmas para uma funçao telepatica nos pròximos tres plasmas radiais

ALFA (5º DIA – chacra da laringe) – Alfa (amarelo) libera elétrons duplo estendidos no Pòlo Sul

LIMI (6º DIA – chacra do plexo solar) – Limi (vermelho) purifica o elétron mental no Pòlo Norte

SÍLI0 (7º DIA – chacra cardìaco) – Sìlio (branco) espalha, descarregando o elétron neutron mental no centro da Terra, dispersando assim toda a energia acumulada durante os 6 primeiros dias, para novamente recomeçar o movimento dos “7 dias da Criaçao”.

os Maias acreditavam, como eu acredito, que o poder da mente seja extremamente transformador. Por isso a importancia de estar alinhado com a mente coletiva, com a consciencia universal e com o pensamento voltado para a criaçao de coisas benéficas. Seu calendàrio propoe uma pratica meditativa diària. A cada dia, pelo que eu entendi, devemos mentalizar uma energia, uma cor, um processo do universo, alinhando essa energia com nossa propria energia interior numa pratica ràpida, como uma pequena oraçao matinal, ou noturna. Segundo os apaixonados por toda essa pratica que o calendario simboliza nós somos a personificaçao do sagrado tempo natural. O que o calendario permite é que nossa energia flua, sem bloqueios, alinhada com o movimento ritmico do cosmos. E, para defender ainda a idéia de “naturalidade” do calendario Maia os estudiosos argumentam que nossos corpos sao também codificados com os ciclos naturais do tempo semelhantes ao codigo 13:20 desse calendario. Homens e mulheres sao reciclados a cada 28 dias por um ciclo denominado bioritmo. Nòs possuímos 13 juntas em nossos corpos, que nos proporcionam o movimento, e 20 dedos nas maos e nos pés… e por aì vai. 🙂

Os Maias, de uma maneira inexplicada até hoje, demonstraram entender e sentir a consciencia da unidade de todos os seres do universo e desfrutaram disso ao maximo com suas praticas, alinhadas à potencia maxima de energia vital, atingindo niveis extraordinarios de capacidade mental e, ao que tudo indica, desenvolvendo a telepatia e a clarividencia, o que os permitiu deixar uma mensagem de alerta e esperança para uma civilizaçao futura. Esse povo misterioso, no clímax de sua civilizaçao nao parecia ter a pretensao de ter a resposta para todas as perguntas do mundo, queriam simplesmente viver em sincronismo com a natureza e com a mente aberta para o cosmos.  A mensagem deixada por eles nos indica um caminho, que hoje, ao menos pra mim parece òbvio, que é o de assumirmos a vida e as nossas decisões de maneira consciente. Como herança os Maias deixaram para nòs, os habitantes do planeta Terra de hoje, uma mensagem escrita em pedra, uma mensagem que contem 7 profecias. Uma parte das profecias fala de alerta e uma parte fala de esperança. A mensagem de alerta profetiza o que vai acontecer neste tempo em que vivemos. A mensagem de esperança nos fala sobre as mudanças que devemos efetuar em nòs mesmos para impulsionar a humanidade a uma nova era, uma era por eles chamada de a era da mulher, a era das maes, a era da sensibilidade.

Uma sintese das SETE PROFECIAS MAIAS:
Primeira profecia– O final do medo. Fala de um raio sincronizador de luz que ocorre a cada 5.125 anos e que afeta o comportamento do sol e consequentemente suas ondas eletromagneticas, afetando o campo eletromagnetico dos seres humanos, com consequencias sobre a consciencia humana.  Na sua primeira profecia eles nos confrontam de maneira antecipada com a morte e sò a iminencia da morte nos obriga a fazermos um juìzo sobre nòs mesmos e nos torna conscientes que nao somos peças soltas no universo e que todo o universo tem ritmos que começam e terminam.

Segunda profecia– A loucura começara a manifestar-se em nosso planeta. O comportamento de toda a humanidade começaria a mudar aceleradamente a partir do eclipse do sol de 11/08/1999. Os Maia nos apontam como a ùnica maneira de evitar isso é nòs nos sincronizarmos com o ritmo da natureza. Com a segunda profecia eles nos entregam um espelho para refletirmos nossas relaçoes, as relaçoes que temos com nòs mesmos e as que temos com o outro.

Terceira profecia– Uma onda de calor aumentarà a temperatura do planeta, produzindo mudanças climàticas, geològicas e sociais, em uma magnitude sem precedentes e a uma velocidade assombrosa. Os Maias dizem que o aumento da temperatura se darà pela combinação de vàrios fatores, alguns deles gerados por nòs seres humanos, que com nossa falta de sincronismo com a natureza sò podemos produzir processos de auto-destruiçao. Outros fatores serao gerados pelo sol, que ao acelerar sua atividade pelo aumento de sua vibraçao produz mais irradiaçao, aumentando a temperatura do planeta. Na terceira profecia o que devemos analisar é a nossa relaçao como indivíduos e como espécie no planeta em que vivemos.

Quarta profecia– O aumento da temperatura do planeta, causada pelo conduta anti-ecològica do ser humano e por uma maior atividade do sol provocarà um derretimento de gelo nos pólos. Se o sol aumentar seus nìveis de atividade acima do normal, haverà uma maior produçao de vento solar, mais erupçoes maciças desde a coroa do sol, um aumento da radiaçao e um incremento na temperatura do planeta. Os maias basearam-se no giro de 584 dias do planeta Venus para efetuar seus calculos solares. Venus é um planeta facilmente visìvel no céu, pois sua òrbita està entre a Terra e o Sol.

Quinta profecia– Todos os sistemas baseados no medo sobre os quais esta fundamentada a nossa civilizaçao se transformarao simultaneamente com o planeta e com o ser humano para dar lugar a uma nova realidade de harmonia. O ser humano està convencido de que o universo existe sò para ele, que a humanidade é a ùnica expressão de vida inteligente e por isto age como um depredador de tudo que existe. Os sistemas falharao para que os ser humano enfrente-se a si mesmo, para que ele veja a necessidade de reorganizar a sociedade e continuar no caminho da evoluçao que nos levarà a entender a criaçao.

Sexta profecia– No final do ciclo de 5.125 anos, ou seja, o perìodo em que vivemos atualmente, aparecerà um cometa, um corpo celeste, cuja trajetòria colocarà em perigo a pròpria existencia do ser humano.

Setima profecia– Fala do momento em que o sistema solar em seu giro cìclico sai da noite para entrar no amanhecer da galàxia. Ela nos diz que nos 13 anos que vão desde 1999 até 2012, o centro da galáxia sincroniza todos os seres-vivos e permite a eles concordar, voluntariamente, com uma transformaçao interna que produz novas realidades. Ela nos fala de esperança e nos mostra como sò através do nosso esforço poderemos encontrar a paz interior, para que possamos ser eleitos como depositarios, que nos reintegrarà como um sò organismo gigantes em um universo de paz e harmonia. E que todos os seres humanos tem a oportunidade de mudar e romper suas limitaçoes, recebendo um novo sentido, a comunicaçao através do pensamento. Os seres humanos que, voluntariamente, encontrem seu estado de paz interior, elevando sua energia vital, levando sua frequência de vibraçao interior do medo para o amor, poderao captar e expressar-se através do pensamento, e com ele florescerà um novo sentido.

 

Fonte: Portal 13 Luas, Projeto 2012 e As 7 Profecias Maias no Youtube

Read Full Post »

Morte-Vida nova

 

Morrer me acalma

 

já me matei faz muito tempo

me matei quando o tempo era escasso

   e o que havia entre o tempo e o espaço

era o de sempre

   nunca mesmo o sempre passo

 

   morrer faz bem à vista e ao baço

melhora o ritmo do pulso

   e clareia a alma

  

   morrer de vez em quando

é a única coisa que me acalma

 

 

 
 
 

 

 

Publicado no Cafofo da LuLu em 09 de outubro de 2006  às 12:12

 

 

Hà alguns anos comecei a questionar o valor agregado das palavras, ou melhor, de certas palavras que carregam culturalmente um peso de malignidade, tristeza, medo e negatividade, mas que na verdade, tem muitos mais significados além desses que podem e devem ser usadas por nòs de maneira benefica. Talvez eu seja bem doidinha, mesmo, mas acredito de verdade que a mente aberta, receptiva a novas idéias ou uma experiencia rica e consciente, podem nos libertar das amarras que certas palavras tem e a comunicaçao verbal, enfim, contribuirà pra um salto quantico, hoje inimaginavel, da humanidade.

A palavra morte, por exemplo. Eu sei é dificil até pronuncia-la. Poisé, a morte carrega tanto peso e dor por ser muito usada no seu sentido mais conhecido, o da transmutaçao fisica, que nem sequer nos permitimos ousar e nos beneficiarmos com seu poder verdadeiramente transformador. Digo poder pois o fim que a morte significa é tao definitivo e indiscutivel quanto o inicio que ela prenuncia. E’ nisso que acredito: que a morte-inicio é natural e tao òbvia quanto um pendulo onde o movimento de ida nao existe sem o de vinda. A morte-inicio é tao simbiotica e purificadora quanto uma membrana fina, fina, que deixa passar o liquido e ao mesmo tempo filtra as impurezas. A morte-inicio é um àtimo de segundo em movimento como uma caixa de presente que no exato instante que deixa as maos do remetente jà inicia o percurso de chegada às maos do destinatario. Taì, talvez o que nos faz apegar-se ao medo seja a duvida pungente: quem receberà esse pacote? Bom, aqui entra a religiosidade de cada um e é um papo bem longo e isso eu nao vou discutir hoje. O que prefiro ressaltar é: morrer faz parte da vida, todo mundo sabe, como diz o chavao. Nossas celulas morrem aos milhoes de milhares a cada dia no processo mais perfeito da renovaçao da vida e nada disso nos incomoda, ao contrario, convivemos com isso quotidianamente. ‘E necessario toda essa renovaçao para a continuidade saudàvel da vida. Alguns biologos chegam até a afirmar que a funçao da morte é primariamente permitir a evoluçao.

Entao, que assim seja. Quero que tudo aquilo que nao me cabe mais, que jà completou seu ciclo morra em mim e se renove. Quero deixar morrer o apego, a imagem pre-concebida, o julgamento apressado, a grosseria, a defesa armada, a burrice, a angustia, a preguiça, o cinismo, o sarcarmo, a soberba, a inveja, o ciùme… Quero deixar morrer a raiva e a agressividade ancestral que existe em mim e permitir o crescimento da docilidade e da ternura. Quero deixar morrer o medo do destinatario desconhecido e aceitar que cada passo meu seja dado com firmeza, mesmo sem certezas, em si e por si somente. Quero deixar morrer o ontem e iniciar com muita alegria cada novo hoje que recebo de presente. Quero morrer, quero viver e quero evoluir continuamente, todos os dias, necessariamente nessa ordem.

Read Full Post »

Hoje teve terapia e eu vou logo avisando que fiquei muito mexida. Muito. Falamos de atitudes minhas que me incomodam profundamente e que por mais que eu tenha consciencia, ainda nao consegui me livrar delas. Foi phoda me expor. Saì de là bem cansada. Ainda estou com a cabeça quente. Aproveito esse momento pra refletir sobre um artigo que li essa semana (nada é por acaso) e que fala de inteligencia emocional.

O especialista da matéria garante que a inteligencia emocional pode ser desenvolvida. Ele conta que existem cinco áreas que devem ser trabalhadas pelo individuo:

Eu me conheço:  A primeira delas, me parece òbvia e ao mesmo tempo uma das mais profundas e dificeis que é a area do autoconhecimento, a sinceridade que cada um tem consigo mesmo para avaliar as suas habilidades e qualidades de maneira verdadeira, permitindo-se e aceitando observaçoes de terceiros, para reconhecer como as suas emoçoes afetam seu desempenho e a ligaçao entre o que pensa, o que sente e a sua maneira de agir. Devemos parar alguns minutos antes de enfrentar um desafio que gera tensao emocional e perguntarmos: Qual é a emoçao que estou sentindo neste momento? Como eu posso pensar e agir diferente nesta situaçao?

Eu me gerencio: Nesta segunda etapa, devemos trabalhar o autocontrole, aquele bendito freio que nos permite pensar antes de agir, conseguindo, assim, administrar nossos impulsos, para nao explodir e depois nos arrependermos. E’ importante termos a capacidade de nos adaptarmos às situaçoes para alcançarmos um objetivo e também termos foco em momentos de pressao. Devemos ter sempre um objetivo em mente e pensar quais seriam os passos para alcançá-lo. A proposta é perguntar-nos frequentemente: qual comportamento construtivo eu posso ter agora para alcançar meu objetivo?

Motivaçao: Dizem os estudiosos que todas as pessoas tem um propòsito, um motivo para agir. Estar pronto para agarrar as oportunidades, superar os obstàculos e aprender com eles para seguir em frente é muito importante. Devemos nos mobilizar para alcançar a realizaçao. O especialista afirma: Uma pessoa motivada tem iniciativa e persistencia. Reflitamos: suas decisoes sao motivadas pelo medo de perder ou pela esperança de ganhar? O que voce precisa fazer para alcançar seu objetivo?

Eu conheço o outro: Nesta fase do nosso trabalho, precisamos observar as pessoas ao nosso redor. E’ preciso mostrar sensibilidade ao ponto de vista do pròximo, buscar maneiras de conquistar a confiança alheia e estudar o nível de satisfaçao do outro. Enxergar  e respeitar as diferenças como oportunidades de crescimento faz toda a diferença. Constantemente devemos avaliar nossa capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, de compreendê-lo. Façamos, por exemplo, uma lista das qualidades, talentos e dificuldades das pessoas ao nosso redor. E’ o momento de pensar também naquelas idéias pré-concebidas que temos do nosso pai, ou mae, sogra, ou sogro, irmaos, cunhadas, irmas, maridos, filhos, amigos, chefe, colegas de trabalho… Essas impressoes, num segundo olhar, podem nao passar de puro preconceito. Estejamos atentos a isso.

Eu gerencio o outro: Agora é o momento em que exercitamos a chamada liderança situacional, gerenciamos conflitos, colaboramos, dialogamos, construìmos alianças e desenvolvemos nossa relaçao com o outro. Nesta parte do trabalho, podemos observar nossa capacidade de lidar com pessoas difìceis. O especialista propoe que desafiar o status quo, ou seja, como as coisas sao é uma forma de avaliar como voce gerencia os outros. Aproveitamos, entao pra refletir sobre algo importante que desejamos comunicar, aquele papo que nunca conseguimos começar, por exemplo, e nos perguntamos: o que é mais importante nesta mensagem para mim? E para o outro? Pense, ainda, se existe uma melhor maneira de dizer o que deseja.

 

Notas Mentais:

Hà alguns anos atràs julguei-me uma analfabeta no quesito inteligencia emocional. Hoje posso dizer que jà consigo contar de 1 a 20, sei somar e subtrair, conheço o alfabeto e sei assinar meu nome.

Se é dificil dizer uma coisa, muito provavelmente é dificil ouvir também, entao, cuidado redobrado.

Quero exercitar a fantasia onde meus sentimentos mais sombrios, pesados e dificeis de lidar, como a raiva, por exemplo, sao como uma GRANDE PEDRA que eu posso dividir, esculpir e moldar transformando em varios lindos objetos que irao enfeitar a minha casa, minha vida e meu ser.

Auto-conhecimento é a chave que abre TODAS as portas.

Auto-conhecimento é principio, meio e fim.

Chega de ter medo de mim.

Read Full Post »

A felicidade é como uma borboleta. Quanto mais você a persegue, mais ela se esquiva. Mas se você voltar sua atenção para outras coisas ela virá pousar calmamente nos seus ombros.
Thoreau

Foto By LuLu na Italia

Foto By LuLu na Italia ©

Quando eu finalmente parei de reclamar pude senti-la começar a entrar devagarzinho, sorrateiramente, com muito cuidado na minha alma. Nao sei explicar porque resisti tanto. Me apeguei ao medo. Talvez, “apego”, seja a palavra justa pra definir a dificuldade em deixar de ser esse alguém que jà fui, por tantos e tantos anos e que agora, assim, de repente, nao sou mais. Me apeguei ao passado e nao quis perceber sua presença, foi isso. Me apeguei ao que nao sou mais, nao vivencio mais, nao possuo mais, nao preciso mais e nao prestei atençao ao que vem surgindo à minha volta. Lamentei o caminho percorrido, esperneei  pela falta, choraminguei a ausencia ao invés de gozar o que é o presente: um presente. Isso mesmo, minha vida é um presente, embrulhado com papel dourado de muito valor agregado e amarrado com uma fita laranja da mais pura alegria.

Enfim, que bom que ela chegou. Posso senti-la encostando-se em mim com seu calorzinho bom. Posso ouvir sua risadinha terna e sapeca, como voz de criança, brincando de esconder detràs do sofà. E eu chamo: U-uuu… voce tà aì?? Como se eu nao soubesse. Hihihihi. Mas, posso senti-la.

Que bom que ela està aqui comigo. Me envolve o coraçao com suas maos macias como o mais tenro  algodao egipcio, me conforta e me enxuga as lagrimas de saudade. Porque essa, a saudade, também està aqui comigo e nem sei se vai embora algum dia, me faz companhia, às vezes brigo com ela mas, no fundo, ela nao incomoda ninguém.

Bom, hoje nao importa a saudade nem o apego ou o medo, nem tudo o que jà fui. Hoje o que eu mais quero é saudar essa minha amiga, que hà bem pouco tempo começou a fazer parte da minha nova vida e que me ajuda a construir o que eu sou e o que serei daqui pra frente. Quero me desculpar e dizer a ela que a busquei tanto, mas nos lugares errados. Quero confessar que tive medo e quase desespero de nao encontra-la nessa existencia e que minha sombra quase me fez acreditar que ela nao viria, veja sò que bobagem. Quero agradecer sua constancia, sua persistencia e sua paciencia, em esperar o meu momento. Quero pedir que ela fique pois, agora que a conheço, sei que aqui dentro de mim é o seu lugar.

Bem-vinda, felicidade.

Read Full Post »

A beleza do casamento consiste em viver os desafios de cada dia.
A minha felicidade só depende de mim, ninguém deve carregar este fardo.
As palavras devem ser medidas, pois deixam marcas.
Atenção e carinho trazem segurança e confiança.

Conversar é a melhor solução para os problemas.
Controlar as finanças e planejar é necessário, a lealdade e a fidelidade também.
A relação sexual deve ser falada, respeitada, realizada com amor e carinho.
A compreensão e a aceitação tornam a vida mais harmonica.

Fotos: Claudio – Visage Photo Studio

A vida a dois se alimenta de sonhos e fantasia,

mas nao é um conto de fadas é real.

E viva o amor!!!!!!!

Read Full Post »

(Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.)

Saudade é uma das palavras mais presentes na poesia de amor da língua portuguesa e também na música popular, “saudade”, só conhecida em galego-português, descreve a mistura dos sentimentos de perda, distância e amor. A palavra vem do latim “solitas, solitatis, solitáte“, (solidão), na forma arcaica de “soedade, soidade e suidade” e sob influência de “saúde” e “saudar”.

Diz a lenda que foi cunhada na época dos Descobrimentos e no Brasil colônia esteve muito presente para definir a solidão dos portugueses numa terra estranha, longe de entes queridos. Define, pois, a melancolia causada pela lembrança; a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de pessoas, coisas, estados ou ações. Uma visão mais especifista aponta que o termo saudade advém de solitude e saudar, onde quem sofre é o que fica à esperar o retorno de quem partiu, e não o indivíduo que se foi, o qual nutriria nostalgia. Saudade é uma espécie de lembrança nostálgica, lembrança carinhosa de um bem especial que está ausente, acompanhado de um desejo de revê-lo ou possuí-lo. Uma única palavra para designar todas as mudanças desse sentimento é quase exclusividade do vocabulário da língua portuguesa.

Recentemente, uma pesquisa entre tradutores britânicos apontou a palavra “saudade” como a sétima palavra de mais difícil tradução.

Pode-se sentir saudade de muita coisa:

– de alguém falecido.
– de alguém que amamos e está longe ou ausente.
– de um amigo querido.
– de alguém ou algo que não vemos há imenso tempo.
– de alguém que não conversamos há muito tempo.
– de sítios (lugares).
– de comida.
– de situações.
– de um amor

NOTAS MENTAIS

A saudade é chata, boba e feia.

A saudade é brega.
Saudade do vovo, almoço em familia, abraço de irma, chamego de tia, cheirinho da mamae, 😀 risadas gostosas, sobrinha Bruneca, sair pra dançar, vista da janela, telefonemas a qualquer momento sem ter assunto e ficar horas, afilhado-tipi..tipi-pererequinha-pequeno-minalinda-grandoes, fofocar, cafuné da vovo, cozinhar pros amigos,  comidinha gostosa da Ana, roupa lavada e passada pronta no armario, falar no msn com Ernesto, meu laptop deitada na cama, por-do-sol de Brasilia, amigas-irmas, sair prum rolé, conhecer os caminhos, banho de chuva, estar rodeada de amigos…
A saudade mata a gente, morena.

Ana Carolina – O avesso dos ponteiros

Read Full Post »

A maioria do tempo eu tenho a sensaçao de que estou no Brasil. Nao sei explicar bem o porque, mas penso que ainda esteja me ambientando e, com exceçao da lingua e de outras evidencias bem obvias, o dia-a-dia é normal, como em qualquer lugar do mundo. Outro dia, por exemplo, estava no shopping com minha cunhada, ela na loja com a filha e eu esperando sentada num banquinho fora, e tive essa sensaçao. Shopping é tudo igual, mesmo, e as pessoas aqui nao tem caracteristicas particulares de uma sò raça. Tem também muita coisa igual no vestir. Mas, de vez em quando me toco que to na Europa. 

A primeira vez foi na Pàscoa. A Rai Uno, que é uma das TVs mais importantes daqui, estava transmitindo uma missa… como eu descrevi no meu Cafofo:

Sexta-feira , 21 de Março de 2008

Caiu a ficha

Ligo a TV.

Sexta-feira

Horàrio nobre.

Transmissao na Rai Uno

Diretamente de Roma.

Um espetàculo poético recitado em italiano.

Cantado em canto gregoriano.

Falado em latim, italiano, frances, ingles, espanhol, portugues, alemao, russo… e mais umas duas linguas que nao identifiquei…

Era a Missa da Sexta-feira da Paixao celebrada pelo Papa.Bento XVI!!!

 

 

Pela primeira vez me toquei que to na EUROPA…

Demorou, mas caiu a ficha.

Gary Morris

Foto: Gary Morris

Hoje foi a vez da abelha. Eu nunca tinha visto uma abelha como essa. GIGANTE! Peluda e com as cores mais vivas do que nunca! Estava fotografando o jardim e me assutei com um zumbido forte. Quando vejo, là estava ela. Uma especie, meio abelha, meio vespa, que o Ernesto identificou como Calabrone. Era mais ou menos como um dos nossos besouros, bem grande e gorda, sò que beeeeem peludona e com aquele “pijama” de listras classico, amarelo e preto.

Piolina

Foto: Piolina

Como os besouros, aliàs, descobri na internet que, na década de 30 começou a circular a fama de que seria impossivel, aerodinamicamente falando, que ela conseguisse voar com um corpo tao grande e asinhas minusculas. Adoro quando a natureza nos surpreende.

Estar aqui na Europa, muitas vezes, me dà essa sensaçao magica de que posso tudo o que eu desejar e me empenhar. Até mesmo voar.

Read Full Post »

Avesso

Mais sensivel que o normal. 

Procuro ficar quieta.

Aqui dentro.

Fotos By LuLu na Italia © ……………………………………………………………………………………………….

Read Full Post »

Hoje eu acordei com dor de cabeça, com vontade de vomitar, de me jogar de uma ponte e de matar o marido Ernesto à garfadas. Tudo ao mesmo tempo aqui e agora. Assim, abri os olhos e vi o mundo cinza-fosco. O quarto todo escuro, por causa das cortinas de metal, tem apenas a luz da estufa acesa. Vejo o marido que dorme. Sinto a boca amarga. Nada de beijo hoje. Sento na cama. Acendo o abajour do meu lado. Tomo o floral. Coloco os brincos. Apago. Agora està mais escuro. Levanto chutando o chinelo e tropeçando no tapete. Saio do quarto e o frio gela meus braços. Volto, pego um casaco de moletom, passo talco nos pés, calço meias, saio de novo. Marido Ernesto ainda dorme. Chego ao banheiro, coloco pasta de dente na escova, me olho no espelho e.. PUTZ! QUE MERDA!.. QUATRO ESPINHAS! GIGANTES!!! Ahhh nao! Escovo os dentes rosnando e pensando: é melhor o Ernesto nao me encher o saco hoje e se ele perguntar quando levantar – “cade meus oculos, jòia?” – eu pego o garfo… Juro! Eu to que to! Lavo o rosto, arrumo os cabelos da franja disforme, que nao cresce nunca,  e hoje se parece com o escovao do McDonalds..  😦  Prendo pra cima com uma piranha. Fica uma bosta, mas nao pretendo sair de casa tao cedo. Olho uma mancha de sei là o que no chao do corredor. Maldita faxineira que nao veio ontem! Vou pra area de serviço. Pego um pano de chao. Limpo a mancha. Volto. Esfrego umas pantufas que botei de molho ontem. Esfrego, esfrego vigorosamente. Deixo de molho mais um pouco. Coloco umas toalhas na maquina de lavar. Ligo. Enxaguo umas calcinhas que lavei e coloco pra secar. Limpo o tanque. Guardo o sabao e a escova. Vou pra cozinha e começo a lavar a louça que restou de ontem. Que saco essa louça! Ai..ai.. Eu lavo, lavo, lavo e nao acaba nunca! Escuto o marido Ernesto levantar. Ele vem me dar um beijo e diz: buon giorno, nenem. Nem olho e dou um grunhido em resposta. Continuo na louça. Ele pergunta se quero comer alguma coisa. Respondo: Niente. Ele insiste: uma fruta, um biscoitinho? Eu irritada: Niente è niente. Nao quero nada. Ponto, basta. Ele abre a geladeira e pega uma manga. Pega uma faca pra descascar. Descasca. Come em silencio. Termina, levanta e vem colocar a faca na pia pra eu lavar… Eu olho aquela mao se aproximando com a faca suja depois que eu jà lavei quase tudo, espremo os olhos e penso: aproveita! Pega um garfo, um garfo.. anda.. vai..  AGORA!!!

Read Full Post »

Fluindo…

Ontem à noite adormeci com Ernesto me fazendo cafuné e lendo trechos de um de seus livros prediletos: Manuale del Guerriero della Luce de Paulo Coelho. Um livro, no minimo interessante, que fala sobre coisas que, nesse momento, acreditamos que sejam verdade, com as quais nos identificamos e que nos fazem pensar, sonhar, falar… e construir muitas coisas. O Manual do Guerreiro da Luz elenca atitudes e valores que, por mais obvios e ululantes que sejam, sao sempre atuais e dignos de alguma reflexao. Devo confessar que Paulo Coelho, com sua linguagem adolescente-generalista-comercial-internacional, me incomoda muito. Nao posso cuspir no prato que comi e devo confessar ainda que Brida foi um dos seus hits que fez parte da minha descoberta mistica na adolescencia. Sorvido com prazer, é bem verdade. Mas, hoje, muitos anos depois sinto, desiludida, que o autor se manteve raso e o acho bastante brega. Bom, meu proposito aqui nao é o de condenar nem o autor, nem sua obra, muito menos o livro que lemos ontem, como eu bem disse é interessante, agradàvel, mas sim dissertar sobre uma idéia que a cada dia me perturba mais. A idéia de GUERREIRO.

Um amigo querido, o Luizinho, tratou em seu site um tema semelhante e me ajudou ainda mais na minha reflexao pessoal. Assim como ele inicia seu texto, faço aqui também um preambulo de paz, deixando claro que nao tenho intençao de ofender, nem convencer, nem disputar nada com ninguém. Estou expondo minhas idéias, e vibrando o que acredito ser uma consciencia diferente daquela que eu tinha hà bem pouco tempo atràs.

Vamos là. O ponto é que, seja dentro de si, seja fora, na Terra, nos planetas ou na galaxia, a guerra é estranhamente aceita. Claro que tendemos a ficar do lado do bonzinho, do heroi, do mais forte, do mestre Jedi ou o que o valha, mas nao nos damos conta de que independente de quem “vença” tem sempre a tal guerra. Meu amigo enfatiza, e eu concordo plenamente, que essa cultura está tão impregnada que vemos exemplos e detalhes dessa aceitaçao banalizados no dia-a-dia, como quando se pergunta: “como anda a luta?”, para saber como está o dia ou o trabalho da pessoa. Dizemos ainda com muita frequencia, por exemplo, que estamos “lutando” por nossos direitos ou “batalhando” por nossos interesses sem nos darmos conta do quanto estamos reforçando a competiçao, e a violencia. Queremos a paz mas falamos sò de guerra. Nao damos atençao ao efeito que nossas palavras e pensamentos causam em nòs e, reflexivamente, em toda a humanidade. Porque eu acredito que aquilo que projetamos acontece afirmo que, para aquele que acredita que se deva travar algum tipo de batalha para se viver ou evoluir, para todo aquele que projeta que a vida é uma guerra, seja fora ou dentro de si, existe uma grande certeza: em todos os dias de sua vida voce terà extamente aquilo que deseja – guerra.

Essa crença febril na competitividade e na guerra, permeia o inconsciente coletivo hà tanto tempo que há uma ilusao geral de que se a pessoa não for guerreira ou combativa não irá obter sucesso, nao crescerà, nao progredirà. Dizer que uma pessoa é guerreira, é até um elogio nao é mesmo? A aceitaçao da idéia do guerreiro está tão intimamente arraigada entre nòs, hà seculos, nessa existencia que, ironicamente é adotada mesmo dentro dos círculos espirituais e na linguagem dos chamados “mestres”, pressupostamente elevados numa consciencia superior, onde se fala em Guerreiro da Luz, Guerreiro Espiritual, Guerreiro Yogue, O Bom Combatente…

Respeito quem nao compartilhe o que eu penso, mas me parece um equivoco, pois a minha experiencia e vivencia nesse mundo me ensina sempre e a todo momento, independente ou até bem mais além dos meus aparentes “esforços” para evoluir. Acredito que é imprescindivel me posicionar e fazer a minha parte, sim, como nao? Mas acredito também que quanto menos tento convencer os outros de minhas crenças, ou qual caminho seja o melhor a seguir, mais percebo que ganho energia para me dedicar ao meu proprio caminhar e mais pessoas surgem querendo seguir na mesma direçao. Nao tenho as respostas, como costumo dizer, e nao me refiro a sermos inertes, mortos, sem força, vitalidade, ou alegria de viver! Longe disso! Mas sinto que quando estamos atentos, abertos, alertas e muitas vezes silenciosos vivenciamos a harmonia tao almejada que jà habita em nòs. E definitivamente, numa proposta bem zen até mesmo para mim mesma, sugiro, com um frio na barriga pessoal, confesso, que o melhor seja nao gastarmos nossas essenciais reservas de energia nos opondo a seja lá o que for.

Nao se oporNao lutarPermitirFluir

Read Full Post »

Verdade

Verdade é igual nariz, cada um tem a sua. Eu sei que o ditado nao é exatamente assim, mas serve. O que eu quero dizer com isso é que em cada estòria tem sempre a experiencia de cada um para observar, a sua versao dos fatos, um ponto de vista diferente. Quem nao aceita esse fato se fecha e corre o risco de nao evoluir pra lugar algum. Jà fui assim e hoje nao sou mais tao rigida a ponto de nao aceitar outras verdades, mas tem situaçoes onde os fatos, simples, pontuais, falam uma verdade propria e é dificil divergir.

Ainda refletindo sobre a verdade quase sempre me vejo atormentada por velhos fantasmas de natais passados, onde pessoas que eu confiava me faltaram com ela. Descobrir depois incomoda muito mais do que saber na hora, de maneira geral. Me faz muito mal, me faz sentir-me traìda e com muita raiva. Me faz duvidar da minha intuiçao e, por um tempo, passar a desconfiar de tudo e de todos. Jà deixei de dizer a verdade também, por omissao ou medo, e me arrependo muito até hoje. Isso também me tortura. Ainda volta nos meus pesadelos. Me sinto um pouco presa a esses fatos, amarrada numa sensaçao de coisa mal acabada. Por isso, acredito que a verdade liberta, às vezes dòi, mas deve ser dita. Prefiro que me digam. Prefiro dizer.

E voce?

——————–  ——————–

Total de ontem: 1.878kcal

café da manha (165kcal): 200 de chà verde (75kcal)+ 200ml de suco de manga (90kcal)

Meia manha (64kcal): 1 pera (64kcal)

Almoço (568kcal): espaguete al pesto (330kcal) + 2 almondegas (108kcal)+ 1/2 pao frances (70kcal)+ 1 ft de melao (60kcal)

Meia tarde (90kcal): 200 de suco de manga (90kcal)

Jantar (991kcal): 2 linguiças tipo calabresa caseiras (500kcal)+ 1 fat de pao italiano (154kcal) + 1 col sopa de vagem com molho de tomate (26kcal) + 3 col de sopa de vinagrete (cebola/tomate/pimentao) (105kcal) + 1 tomate seco (50kcal) + 200 de laranjada Tomarchio (96kcal) + 1 ft de melao (60kcal)

NOTAS MENTAIS:

Ontem, almoço e jantar na casa dos sogros. Me incomodou. Nao teve jeito, mas olha o resultado! Quem mandou ter sogra italiana e que ainda por cima cozinha divinamente coisas hiper-uber-caloricas? Ta certo.. ta certo a culpa é toda minha que nao consigo resistir! 🙂

Gostei de comer frutinhas e suco nos intervalos das refeiçoes.

Read Full Post »

A normalidade sempre me pareceu uma coisa relativa. Deixando de lado o chavao, é a mais pura verdade que todo mundo sabe de si e reconhece nas suas sombras o seu proprio fator de loucura. Uns mais, outros menos conscientes mas, para todos nòs, conviver com a propria loucura é uma arte dificil. Conviver com a loucura alheia, entao, seria como a mais perigosa das artes circences, seria viver suspenso num trapézio. Perigoso, né? E pra nao despencar de là de cima é necessario um exercìcio constante de força fisica e mental, paciencia, tolerancia, cumplicidade, confiança e maturidade….

Na corda bamba do relacionamento, em meio a todas as nossas diferenças culturais, de lingua e pessoais, resolvemos que precisàvamos tomar liçoes de trapézio… hehehehehe..  Em nome do amor, que “jà é” em nòs, decidimos fazer terapia de casal…. Enquanto escrevo aqui me vem em mente um trecho da frase da primeira carta de Sao Paulo aos Corintios, cantada por Renato Russo em Monte Castelo: ” Sem amor eu nada seria.“…. 

Ontem foi o nosso primeiro contato com a terapeuta. Fomos nos conhecer, contarmos, todos, um pouco da nossa estòria e nos ambientarmos. A salinha do consultorio da dottoressa Alba parece uma sala-de-visitas de uma casa normal, fica num casarao antigo, tem um pé direito bem alto, é aconchegante, tem duas poltronas, um sofazinho, luminàrias, mesinha de canto, flores, livros, quadros, e palavras positivas espalhadas estrategicamente por todos os cantos. Foram as palavras, aliàs, que iniciaram e terminaram marcando a nossa visita. Foi a referencia delas que nos acolheu, que deu inicio a conversa. Foram elas que nos saudaram ao fim do looongo encontro, de quase duas horas, num jogo proposto por ela, quando escolhemos, cada um de nòs 3, um cartaozinho, aleatoriamente numa bandeja, onde no verso se liam palavras importantes que, como um presente de um anjo, serviriam para nossa reflexao até o proximo encontro.

Algumas palavras importantes:

SERENITà – serenidade

AMORE – amor

VERITà – verdade

FIDUCIA – confiança

A palavra mais especial de hoje é o nome da terapeuta: ALBA  que significa amanhecer, alvorecer. Pra mim foi o maior anuncio de um novo amanha, simbolizando que um novo horizonte està nascendo nessa minha nova vida!

——————–  ——————–

Total de ontem: 849 kcal

Café da manha (295kcal): 200ml de leite Zymil (82kcal) + 2 col chà de Orzo (75kcal) + 1 col chà de açucar (48kcal) + 3 bolachas de fibras (90kcal)

Almoço (478kcal): 1 fatia de torta de espinafre e milho (250kcal) + 4 col sopa de ervilhas ao molho de tomate (100kcal) + 1 ovo pochè (78kcal) + 200ml de suco de maracujà (50ml)

Meio da tarde (73kcal): 200ml de chà com pessego (73kcal)

Jantar (3kcal): 200ml de chà de camomila (3kcal)

NOTAS MENTAIS:

A receita da torta de espinafre que eu faço tem no meu outro blog.

Depois da terapia estavamos meio tensos com tanta emoçao, fomos rever os momentos e falar sobre nossas impressoes. Acabamos divergindo, nos chateando e, ao invés de irmos comemorar numa pizzaria, voltamos pra casa. Eu tomei um chà e fui deitar. Foi muito bom pra minha dieta, ao menos.

Read Full Post »